Qatar 2022. Cantona lamenta a morte de trabalhadores migrantes: “É horrível”

“Milhares de pessoas morreram e mesmo assim vamos celebrar o campeonato do mundo”, disse o antigo avançado francês, garantindo que não vai assistir ao torneio.

Éric Cantona

Eric Cantona criticou o tratamento dado aos trabalhadores migrantes no Qatar na construção de estádios e infraestruturas para o campeonato do mundo deste ano, que arranca a 21 de novembro.

“Pessoalmente, não vou assistir. É só sobre o dinheiro. E é horrível como trataram as pessoas que construíram os estádios. E milhares de pessoas morreram e mesmo assim vamos celebrar o campeonato do mundo”, disse o antigo internacional francês em entrevista ao “Daily Mail”.

“Percebo que o futebol seja um negócio, mas pensava que era onde todas as pessoas podiam progredir. Ainda penso que os jovens jogadores que crescem em zonas pobres – a maioria dos jogadores vêm de zonas pobres – e tornam-se futebolistas e têm uma possibilidade de se salvarem a si e à sua família, o que é ótimo. E se fores bom, és bom. Trata-se de meritocracia, se és melhor que o outro, vais jogar, o que é justo. É por isso que, talvez, se a meritocracia e o potencial são a essência do futebol, é ainda mais surpreendente que possamos organizar um campeonato do mundo no Qatar”, afirmou na entrevista ao jornal britânico.

O jornal “Guardian” revelou este ano que mais de 6.500 trabalhadores migrantes da India, Paquistão, Nepal, Bangladesh e Sri Lanka morreram no país desde que ganhou os direitos para organizar o torneiro, há 11 anos – a uma média de 12 migrantes mortos todas as semanas.

E um relatório da Amnistia Internacional revelou que milhares de migrantes são explorados no país, com “milhares em risco”.

A Dinamarca vai mostrar a sua solidariedade para com estes trabalhadores durante o torneio, com mensagens de apoio inscritas no equipamento de treino.

 

Recomendadas

Marcas vs Catar: o difícil equilibrismo das maiores marcas do mundo. Veja o “Jogo Económico”

Do equilibrismo de quem patrocina a prova à anti-campanha de quem está de fora, estes dias estão entregues a uma espécie de Mundial de marcas com desfecho imprevisível. Daniel Sá, especialista em marketing desportivo e diretor-executivo do IPAM e Henrique Tomé, analista da corretora XTB, são os convidados desta edição.

O Mundial de todas as contradições em análise. Veja o “Atlantic Connection”

Com apresentação de Giovanna Oliveira e José Carlos Lourinho, o Atlantic Connection é um programa produzido em parceria pela BM&C News e pelo Jornal Económico, que oferece uma perspectiva em português sobre os grandes temas da atualidade global.

“Catar? O meu lugar no futebol é no Estádio da Luz”, realça ministro da Cultura

Na semana em que o Parlamento votou e aprovou a ida de Marcelo Rebelo de Sousa ao Catar, para que o Chefe de Estado estivesse na estreia da Seleção portuguesa nesta competição, o ministro da Cultura, conhecido sócio e adepto benfiquista, referiu nesta entrevista que não irá ao Mundial, mesmo que Portugal chegue à final.
Comentários