Quinta de Jugais e associação Zero Desperdício aliam-se no combate ao desperdício alimentar

Com esta parceria, a Quinta de Jugais passa a evitar que os produtos que têm em excesso no ‘stock’ sejam desperdiçados e deitados no lixo, tendo já doado, até ao momento, cerca de 175 quilos de doces e marmeladas.

A empresa Quinta de Jugais e a associação Zero Desperdício criaram uma parceria para se aliarem no combate ao desperdício alimentar em Portugal.

Segundo um comunicado da Quinta de Jugais, a “marca portuguesa de doces e marmeladas reforça a sua estratégia sustentável com nova parceria”.

“No âmbito da sua estratégia ambiental e social, a marca portuguesa de produção e venda de doces e marmeladas Quinta de Jugais une esforços com a associação Zero Desperdício para reduzir o desperdício alimentar, através da doação de produtos a instituições e associações que ajudem famílias com necessidades”, avança o referido comunicado.

De acordo com o mesmo documento, “com o objetivo de educar e sensibilizar os portugueses para o problema do desperdício alimentar e, simultaneamente, ajudar todos os que mais precisam, a Quinta de Jugais passa a evitar que os produtos que têm em excesso no ‘stock’ sejam desperdiçados e deitados no lixo, tendo já doado, até ao momento, cerca de 175 quilos de doces e marmeladas”.

Segundo Mariana Campos, porta-voz da Quinta de Jugais, “enquanto empresa moderna, a Quinta de Jugais não foca a sua visão apenas nos alimentos que produz, mas também no bem-estar da comunidade, da natureza e do nosso planeta”.

“Acreditamos que o futuro é verde e por isso também as empresas têm um papel a cumprir para o assegurar às gerações vindouras, através de estratégias que respeitem a sustentabilidade do planeta. É nossa responsabilidade garantir não só produtos de qualidade, mas, sobretudo, que nenhum é desperdiçado”, defende a mesma responsável.

Por seu turno Paula Policarpo, presidente da Zero Desperdício, entende que “é para nós uma enorme satisfação podermos contar com a Quinta de Jugais nesta parceria, que consideramos ser inspiradora e um excelente exemplo de uma boa prática de economia circular e colaborativa”.

“Juntos contribuímos para que os deliciosos produtos não sejam desperdiçados e mantenham e cumpram o fim para que foram produzidos: aconchegar o coração e o estômago de quem os prova e consome”, assegura esta responsável.

Para os responsáveis da Quinta de Jugais, “esta parceria vem consolidar a estratégia sustentável da marca que, desde a sua origem, procura minimizar o seu impacto ambiental em todos os processos de fabrico”.

“Além de um reduzido consumo de plásticos e de água e de um abastecimento sustentável junto de fornecedores locais, a Quinta de Jugais aposta ainda em embalagens recicláveis e amigas do ambiente”, assinala o comunicado em questão da empresa.

“Nascida no coração da Serra da Estrela pela mão de dois irmãos, a Quinta de Jugais oferece produtos tradicionais de excelência. Com o sonho de levar até às pessoas o sabor autêntico da região através dos seus próprios produtos, criou doces de fruta inspirados nas receitas tradicionais de várias gerações, produzidos com base em práticas sustentáveis, que respeitem a natureza e preservam o sabor autêntico e os nutrientes da melhor fruta”, conclui o comunicado.

Criada em 2001, em Oliveira do Hospital, a Quinta de Jugais nasceu com o objetivo de produzir e oferecer cabazes de Natal, uma ideia que até hoje se mantém.

Em 2009, alargou a sua atividade e começou a produzir os seus próprios doces de fruta, aproveitando os sabores autênticos e naturais da própria região, estando hoje presente em mais de 13 países.

Recomendadas

Vindima no Douro arranca mais cedo para “salvar” uva da seca e do calor

A vindima começou mais cedo no Douro para “salvar” a uva da seca e do calor e, pelos valados de uma quinta, em Alijó, cruzam-se vindimadores portugueses, timorenses e ucranianos, que minimizam a falta de mão-de-obra.

“Os insetos não são um risco nem uma ameaça, mas sim um benefício”, salienta CEO da Entogreen

Na Entogreen, empresa da área biotecnológica, os insetos são usados na indústria agroalimentar para evitar ou atenuar perdas económicas para as empresas. “Não inventámos nada, apenas adaptámos o que acontece na natureza”, diz ao JE o fundador e CEO, Daniel Murta. Assista à conversa nesta “Fast Talk” conduzida pelo jornalista João Santos Costa.

“A inovação é um processo colaborativo na maior parte dos seus casos”

João Borga, Administrador da Agência Nacional de Inovação, sublinha a importância de inovar para fazer frente a um mercado cada vez mais competitivo. Neste episódio, descubra também como pode inovar.
Comentários