Raríssimas: Petição a exigir demissões já tem mais de 4.200 assinaturas

Petição surge na sequência da reportagem da TVI que acusou a presidente da associação de se apropriar de verbas oriundas de donativos para financiar os seus gastos privados.

Encontra-se online uma petição a exigir a demissão da presidente da associação Raríssimas, Paula Brito e Costa, que conta já com mais de 4 mil assinaturas.

Depois de uma reportagem da TVI em que Brito e Costa é acusada de se apropriar de donativos à associação para seu proveito próprio e conduzir uma “vida de luxo”, esta petição pede a investigação do caso e a demissão de Paula Brito e Costa bem como do seu marido e filho, para que “seja feita justiça” aos “funcionários da mesma instituição e principalmente aos doentes”.

Em causa está a reportagem do canal de Queluz que trouxe a público documentos e testemunhos comprometedores sobre o trabalho da presidente da associação Raríssimas, Paula Brito e Costa. A TVI noticiou ainda que o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social sabia de antemão todas as irregularidades.

O trabalho jornalístico dá conta de despesas pessoais elevadas em vestuário e deslocações por parte de Paula Brito da Costa e noticia que a presidente aufere cerca de seis mil euros por mês em ordenados e despesas de representação. Na investigação, o secretário de Estado da Saúde, que foi consultor da associação recebendo 3 mil euros por mês, e a deputada socialista Sónia Fertuzinhos, que viajou até à Noruega paga pela Raríssimas também surgem envolvidos no esquema de utilização fraudulenta de recursos associativos.

Segundo a TVI, uma carta enviada pelo ex-tesoureiro da Raríssimas Jorge Nunes, datada a 9 de agosto, pedia a intervenção de José António Vieira da Silva, através do Instituto da Segurança Social. A polémica surgiu dessa missiva, que levou a entender que o ministro já teria de ter conhecimento das irregularidades nas contas desta associação solidária.

Relacionadas

Ministério do Trabalho pede inspeção urgente à associação Raríssimas

José António Vieira da Silva disse, em conferência de imprensa, que “não é verdade que tenhamos tido conhecimento desta gestão danosa”. Em causa está a reportagem do canal de Queluz que trouxe a público documentos e testemunhos comprometedores sobre o trabalho da presidente da associação Raríssimas.

Raríssimas é alvo de investigação do Ministério Público desde novembro

A primeira reação oficial às irregularidades descobertas pela TVI surgiu no domingo. Em comunicado, o Ministério da Segurança Social comunicou que vai “avaliar” os factos relatados e que vai agir “em conformidade”.

Página de Facebook e site da associação Raríssimas bloqueados

A reportagem da jornalista da TVI Ana Leal, com imagem de Nuno Quá, grafismo de Rui Ribeiro e edição de imagem de João Pedro Ferreira, revelou documentos e testemunhos que põem em causa a gestão da associação por parte da sua presidente.

Respostas Rápidas: O que precisa saber sobre o caso Raríssimas

Uma reportagem da TVI sobre a gestão da associação Raríssimas está a provocar polémica e já levou à abertura de inquéritos pela Polícia Judiciária e pela Segurança Social. Conheça os factos por detrás da polémica.

Onda de repúdio pela Raríssimas nas redes sociais

A eventual utilização de fundos da associação sem fins lucrativos para gastos pessoais por parte da sua presidente está a deixar os portugueses irritados, apesar da sucessão de ocorrências do género. O Ministério Público já está a avaliar a situação.
Recomendadas

Desafios tecnológicos, burocracia, renováveis e perda de água em debate

A transição energética em Portugal e na Europa esteve em debate na conferência do sexto aniversário do Jornal Económico.

Equinix cria fundo solidário de 50 milhões para promover a inclusão digital

A empresa de tecnologia norte-americana criou uma nova estrutura de apoio educativo. O conselho de administração da fundação irá, todos os anos, determinar o montante de doações da fundação, de modo a cobrir a concessão de contribuições ou a correspondência com as ofertas dos colaboradores.

Transição energética não pode ser feita sem as pessoas

Empresas do sector energético destacam a importância das pessoas nos seus projetos. A transição não pode ser feita sem o envolvimento das populações locais e sem a conversão de postos de trabalho.
Comentários