Raríssimas recebeu 2,7 milhões de euros da Segurança Social

Só em 2017, a Instituição Particular de Solidariedade Social recebeu cerca de 606 mil euros, entre valores pagos no âmbito da rede nacional de cuidados continuados e dos acordos de cooperação que mantinham a funcionar as valências.

A associação Raríssimas recebeu mais de 2,7 milhões de euros, entre 2013 e 2017, através da Segurança Social, só no âmbito Ministério do Trabalho e Segurança Social, noticiou o Público esta terça-feira. Segundo o Correio da Manhã, esse valor aumenta para quatro milhões de euros, desde 2010, ao abrigo de apoios protocolares. Por definir estão ainda as contribuições dos outros ministérios.

Só em 2017, a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) recebeu cerca de 606 mil euros, entre valores pagos no âmbito da rede nacional de cuidados continuados e dos acordos de cooperação que mantinham a funcionar as valências.

O valor é divulgado esta terça-feira pelo jornal Público, no seguimento da revelação da TVI de que a presidente da IPSS estava a utilizar de forma danosa os fundos recebidos. Entre contribuições para manter a funcionar um lar residencial, uma residência autónoma, um centro de atividades ocupacionais e para financiar a construção da Casa dos Marcos, entre outros o valor de contribuição da tutela ascende a 2.770.275 euros.

De acordo com o CM, a quantia recebida pela Raríssimas, contando com apoios ao abrigo de protocolos e outras contribuições, aumenta para 4 milhões de euros, provenientes do Estado, desde 2010.

À fatura somam-se ainda pagamentos provenientes de outros ministérios, como o da Saúde.

Fiscalização escondida há quatro meses

O Correio da Manhã noticia que, embora o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social tenha negado  ter tido conhecimento prévio de irregularidades na gestão da IPPS,  o Instituto da Segurança Social  tinha em curso uma ação de fiscalização desde 31 de julho, depois de ter recebido um oficio do ex-tesoureiro da Raríssimas, Jorge Nunes. A fiscalização não foi concluida até ao dia de hoje.

O ministro Vieira da Silva, que chegou a ser vice-presidente da Assembleia-Geral da Raríssimas, não colocou em causa os serviços da sua tutela, durante a conferência de imprensa que deu na segunda-feira à tarde, e recusou ter tido conhecimento prévio dos factos revelados na reportagem da TVI. O ministro disse que o oficio de Jorge Nunes apenas dizia que “não estvam a ser cumpridas pela associação todas as normas do estatuto das Instituições Particulares de Solidariedade Social”.

Rendimento superior a 6.000 euros

De acordo com a reportagem da TVI, a presidente da Raríssimas recebia um salário base de 3.000 euros mensais, a que acresciam 1.300 euros em ajudas de custo, bem como 816,67 euros de um plano poupança-reforma e ainda 1.500 euros para deslocações.

A estes valores juntava-se ainda o aluguer de um carro com o valor mensal de 921,59 euros, bem como compras de ordem pessoal que Paula Brito Costa faria com o cartão de crédito da associação. Uma fatura de um vestido de 228 euros ou de uma despesa de 364 euros em compras de supermercado, dos quais 230 euros diziam respeito a gambas, são alguns dos documentos facultados à TVI por antigos funcionários da Raríssimas.

Relacionadas

Petição para saída da presidente da Raríssimas reúne mais de 9.430 assinaturas

No final da tarde de ontem, o abaixo-assinado “Demissão imediata da Presidente da associação Raríssimas, Paula Brito e Costa o seu filho e marido” contava com mais de 4 mil assinantes.

A Belém não chegou “nada de específico, de concreto” sobre a Raríssimas

O Presidente da República afirmou que é preciso “deixar com serenidade fazer a investigação e com celeridade, isto é, com rapidez, e esperar pelas conclusões”.

Ministério do Trabalho pede inspeção urgente à associação Raríssimas

José António Vieira da Silva disse, em conferência de imprensa, que “não é verdade que tenhamos tido conhecimento desta gestão danosa”. Em causa está a reportagem do canal de Queluz que trouxe a público documentos e testemunhos comprometedores sobre o trabalho da presidente da associação Raríssimas.
Recomendadas

Seixas da Costa condenado por difamar Sérgio Conceição nas redes sociais

O antigo diplomata Francisco Seixas da Costa foi condenado pelo Tribunal do Porto do crime de difamação agravada, por ofensas ao treinador da equipa de futebol do FC Porto, Sérgio Conceição, e terá de pagar uma indemnização.

Emitido mandado de detenção para Vale e Azevedo

O Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa emitiu hoje um mandado de detenção para o antigo presidente do Benfica João Vale e Azevedo, alegando que se recusa a comparecer perante o juiz.

Advogados do caso BES querem Supremo a decidir pela manutenção de Ivo Rosa no processo

Na terça-feira a providência 24/22, deu entrada no Supremo e ficou decidido como relator o juiz conselheiro Manuel Capelo, segundo a “TSF”.
Comentários