Rede Mobi.E com mais de um milhão de carregamentos entre janeiro e junho

A rede Mobi.E ultrapassou a barreira de um milhão de carregamentos nos primeiros seis meses do ano, registando um crescimento de 67% face ao ano passado.

A rede Mobi.E revelou ao mercado que ultrapassou a barreira de um milhão de carregamentos nos primeiros seis meses do ano, registando um crescimento de 67% face ao ano passado. Em 2021, esse valor apenas tinha sido ultrapassado em outubro.

Quanto ao número de postos de carregamento, aumentou 46% face ao mesmo período do ano anterior, existindo atualmente cerca de 2.700 em todo o país, incluindo Açores e Madeira, o que corresponde a cerca de 5.600 tomadas.

“Entre janeiro e junho, realizaram-se mais de 1 milhão e 55 mil carregamentos na rede Mobi.E. O mês de junho foi o melhor mês de sempre, com 200.074 carregamentos efetuados. Já no que se refere a utilizadores da rede, foram registados mais de 54.700 no primeiro semestre, uma subida de 53% face a 2021”, refere a empresa.

A rede Mobi.E integra atualmente 27 comercializadores de eletricidade para a mobilidade elétrica (CEME) e 73 Operadores de Pontos de Carregamento (OPC).

A Mobi-E é uma empresa pública desde 2015 e, desde esse momento, foi designada como Entidade Gestora da Rede de Mobilidade Elétrica (EGME), sendo atualmente responsável pela gestão e monitorização da rede Mobi.E

“A Mobi.E foi criada para participar na crescente expansão da mobilidade elétrica como a primeira rede de carregamento de nível nacional do mundo. Oferece uma estrutura de mercado baseada na concorrência, atuando como intermediária entre os vários fornecedores e parceiros de roaming, ao mesmo tempo que assegura a completa interoperabilidade e integração de todos os participantes”, revela o comunicado.

No primeiro semestre de 2022, foram batidos todos os recordes, em termos de utilização da rede. Junho foi o melhor mês de sempre com 200.074 carregamentos, que totalizaram um consumo de 2.919 MWh, diz a Mobi-E.

“A energia consumida registou também números recordes”, revela a empresa. Nos primeiros seis meses de 2022, foram consumidos 14.820 MWh, tendo o mês de junho superado todos os meses anteriores com 2.919 MWh.

Os valores da energia consumidos na rede nacional de carregamento correspondem a mais de 4 milhões e 465 mil litros de gasóleo que, desta forma, não foram utilizados.

“A média de postos instalados por semana ao longo deste ano aumentou para 19. De sublinhar também o crescimento da potência na rede, ou seja, do número de postos de carregamento rápidos (superiores a 22 kW) e ultrarrápidos (iguais ou superiores a 150 kW), que correspondem a mais de 32% da totalidade dos postos existentes”, avança a empresa.

Para o presidente da Mobi.E, Luís Barroso, “este crescimento da rede Mobi.E é o resultado das políticas consistentes que o Governo tem vindo a promover neste processo de transição energética e na aposta determinante que os municípios e o setor privado têm vindo a fazer nesta nova tecnologia e na rede Mobi.E, o que tem contribuído para que um número crescente de utilizadores sinta cada vez mais confiança em optar por um veículo elétrico”.

Enquanto instrumento público, a Mobi.E assume também o papel de dinamizador e facilitador do processo de transição para a mobilidade sustentável em Portugal, tendo até ao momento sido responsável pela implementação da rede piloto de postos de carregamento para a mobilidade elétrica, a qual contribui para um futuro mais sustentável e ajuda a alcançar os objetivos definidos para a descarbonização:

Recomendadas

Poupanças no gás com mecanismo ibérico entre 2,3% e 34,8%

O mecanismo ibérico que colocou um travão aos preços no mercado do gás usado para produzir eletricidade gerou poupanças entre os 2,3% e os 34,8%, nos dias 17 de julho e 07 de julho, respetivamente, segundo dados divulgados esta quarta-feira.

Após multa de 48 milhões, EDP Produção pondera acionar meios legais

O Tribunal da Concorrência confirmou hoje a decisão da Autoridade da Concorrência (AdC), que atribuiu uma coima de 48 milhões de euros à EDP Produção por abuso de posição dominante, com a elétrica a avaliar recurso aos meios legais.

Prevista para este verão, burocracia atrasa decisão sobre saída do Facebook e Instagram da UE

Um regulador de privacidade irlandês agiu contra a Meta (empresa-mãe) devido a um mecanismo de transferência dos utilizadores europeus para os EUA.
Comentários