Regulador financeiro acusa tabaqueiras de negociarem preços durante 20 anos

O regulador espanhol suspeita de que as empresas que detém a Marlboro, a Camel e as Lucky Strike tenham combinado preços, pelo menos, durante duas décadas.

Lindsay Fox / www.ecigarettereviewed.com

A Comissão Nacional de Mercados e Concorrência (CNMC) suspeita de que as quatro grandes tabaqueiras que operam na Espanha – Philip Morris, Altadis, Japan Tobacco International e British American Tobacco – têm negociados entre si os preços que praticam pelo menos há vinte anos.

No final do mês passado, o regulador dos mercados financeiros espanhol arquivo para sancionar tanto essas quatro empresas de tabaco como o distribuidor, Logista, depois de se ter apercebido que poderiam ter trocado informações e assinado acordos comerciais para partilhar o mercado.

O relatório do organismo presidido por José María Marín Quemada, cujas conclusões foram divulgadas esta quinta-feira pelo jornal espanhol El Economista mostram que as alegadas práticas contrariam a Lei da Defesa da Concorrência e terão começado “pelo menos desde 1998, coincidindo com a data em que o mercado foi liberalizado”.

A CNMC está a analisar todos os documentos envolvidos nos computadores e dispositivos móveis das empresas envolvidas na suspeita para perceber o motivo pelo qual cada vez que o líder do mercado, a Philip Morris, subiu o preço das suas marcas, todas as outras o fizeram, exatamente na mesma proporção de aumento.

Depois de o governo espanhol ter aumentado o imposto sobre o tabaco em 2,5% no final de 2016, as marcas que detém aumentaram todas em 10 cêntimos: o maço de Marlboro passou a 4,95 euros, o de Chesterfield 4,65 euros e o de L&M para 4,45 euros. Mais tarde, a Japan Tobacco International, proprietária da Camel e da Winston e a British American Tobacco, dona da Lucky Strike, seguiram-lhe as pisadas e fizeram o mesmo.

Relacionadas

EUA considera limitar os níveis de nicotina no tabaco

O mercado acionista norte-americano reagiu ao imprevisto anúncio, com as ações das empresas de tabaco a ressentirem-se.

Lei do tabaco aplaudida pelas tabaqueiras

Vai deixar de ser possível usar um cigarro electrónico num espaço fechado. As novas regras equiparam os novos produtos sem combustão aos cigarros tradicionais.

Maior consumo de tabaco relacionado com nível de escolaridade

O Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF) divulgou hoje os dados sobre o consumo de tabaco no país, revelando que o nível de escolaridade é uma das principais causas relacionadas com o número elevado de fumadores portugueses entre os 25 e os 74 anos.
Recomendadas

Comparadora de seguros HelloSafe recebe mais quatro milhões para expandir em Portugal

“Este financiamento irá apoiar a nossa ambição de nos tornarmos a plataforma internacional número um em Portugal para comparar produtos financeiros e de seguros”, diz Oleksiy Lysogub, cofundador da empresa canadiana. ‘Insurtech’ vai contratar 40 pessoas.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Tribunal de Contas não afasta cenário de novas injeções de capital no Novobanco

O juiz conselheiro relator do relatório da auditoria do Tribunal de Contas à gestão do Novobanco, José Quelhas, referiu hoje que não está afastado o cenário de novas injeções de dinheiro público no ex-BES.
Comentários