Reino Unido freta navios e coloca 3.500 militares em alerta para eventual “Brexit” caótico

O Governo do Reino Unido vai investir cerca de 4 mil milhões de libras em preparativos, incluindo a fretagem de navios para transporte de alimentos e medicamentos. Nos próximos dias serão remetidos milhares de “e-mails” com informações sobre o processo.

A prioridade do Governo do Reino Unido é aprovar o acordo com a União Europeia para uma saída ordenada, mas ao mesmo tempo está a precaver-se para uma eventual Brexit caótico, sem acordo. Desde logo ao mobilizar tropas e remeter folhetos informativos aos cidadãos e empresas, antecipando a possibilidade de um falhanço no acordo e putativa crise de mantimentos básicos a partir do dia 29 de março de 2019.

Como se estivesse a preparar-se para uma guerra, descrevem vários jornais. Aliás, o ministro da Defesa, Gavin Williamson, anunciou entretanto que 3.500 militares britânicos foram colocados sob alerta, estando preparados para o caso de o acordo com a UE ser reprovado na votação agendada para 14 de janeiro de 2019 e não se consiga encontrar uma solução alternativa até à data estipulada de conclusão do processo. A missão dos militares destacados será colaborar na repartição de alimentos, água e combustíveis.

“O que estamos a fazer é pôr em marcha planos de contingência. E teremos 3.500 soldados preparados, incluindo os regulares e as reservas, para dar resposta a qualquer departamento governamental em qualquer contigência em que possa necessitar”, afirmou hoje Williamson, na Câmara dos Comuns do Reino Unido.

O Governo britânico também está a preparar a fretagem de navios para trazer do continente bens de primeira necessidade que possam escassear durante as primeiras semanas pós-Brexit sem acordo, sobretudo alimentos e medicamentos. O ministro da Saúde, Matt Hancock, informou que foram adquiridos centenas de refrigeradores para manter um fornecimento estável de medicamentos durante pelo menos seis semanas após uma possível saída caótica. Mais, nos próximos dias serão remetidos milhares de e-mails com informações sobre o processo.

 

Relacionadas

‘No Deal’. Governo britânico prepara empresas para Brexit sem acordo

Decisão foi adotada durante uma reunião do Governo para avaliar a necessidade de fornecer “prioridade operativa” a um possível ‘Brexit’ sem acordo, na sequência da indecisão do parlamento britânico em aprovar o acordo negociado entre Londres e Bruxelas.

Brexit: Trabalhistas sob pressão para apresentar moção de censura ao Governo

Um porta-voz garantiu que o Governo “não vai conceder tempo para estes jogos”, e desafiou o ‘Labour’ a apresentar uma moção de censura ao executivo, a qual implicaria necessariamente um debate na Câmara dos Comuns.

Jeremy Corbyn apresenta moção de censura contra Theresa May

Líder do ‘Labour’, principal partido da oposição, considera que o governo de May é “caótico”.

Brexit vai ser votado na semana de 14 de janeiro

Primeira-ministra britânica anunciou ainda que a discussão sobre o entendimento é retomada no próximo dia 7.
Recomendadas

Emirados Árabes Unidos vão fornecer à Alemanha gás liquefeito e gasóleo em 2022 e 2023

Segundo a agência noticiosa oficial dos Emirados, Wam, o acordo prevê a exportação de uma carga de gás natural liquefeito (GNL) para a Alemanha no final de 2022, seguida do fornecimento de quantidades adicionais em 2023.

Angola cresce 3,5% este ano, mas abranda para 1,8% em 2023

“O forte crescimento de Angola este ano dificilmente vai prolongar-se para 2023, já que a produção petrolífera deverá regressar à tendência decrescente”, lê-se numa análise às maiores economias da África subsaariana, região que deverá ver o PIB deste ano expandir-se 3,3%, abrandando face aos 4,4% do ano passado.

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,
Comentários