Reitora da Universidade Católica anuncia aprovação do curso de Medicina

O pedido foi inicialmente chumbado, após parecer negativo da Ordem dos Médicos. A Católica recorreu da decisão, apresentando uma nova proposta. Torna-se, agora, a primeira universidade não estatal com formação em Portugal nesta área.

O curso de Medicina da Universidade Católica Portuguesa foi acreditado pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), anunciou a Reitora da instituição, Isabel Capeloa Gil esta terça-feira, 1 de setembro, no Twitter.

“Curso de Medicina da Universidade Católica acaba de ser acreditado pela A3ES. Um grande dia para o Ensino Superior e para o sistema científico nacional”, escreveu.

A Universidade Católica torna-se, assim, a primeira instituição não estatal a oferecer uma licenciatura em Medicina em Portugal. O objetivo é antigo, tem vindo a arrastar-se no tempo e não escapou à polémica.

Em dezembro último, o projeto foi chumbado pela A3ES, que acatou dois pareceres negativos, um da comissão de avaliação de peritos nomeada pela agência e um segundo da Ordem dos Médicos. A Universidade questionou a legalidade do chumbo, apresentou recurso e entregou uma nova proposta de acreditação, que deveria ser analisada até junho. A decisão chega agora.

Em julho deste ano, o diretor da comissão instaladora da Faculdade de Medicina na Universidade Católica Portuguesa, António Almeida, dizia à Rádio Renascença que o parecer da Ordem dos Médicos não era vinculativo e avançava que se o curso fosse aprovado pela A3ES, o mesmo poderia para avançar já no próximo ano letivo.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

PremiumApoio à formação vai cobrir parte dos custos salariais

Em resposta à inflação, o Governo anunciou, entre outras medidas, um apoio para a formação dos trabalhadores nas horas vazias. Custos salariais serão parcialmente cobertos, aliviando os encargos das empresas, revela João Neves.

FNE contra a contratação direta pelas escolas pela possibilidade de “amiguismos”

“Não concordamos, claramente”, começou por dizer o vice-secretário-geral da FNE, em declarações aos jornalistas no final da primeira reunião com o Ministério da Educação sobre a revisão do modelo de recrutamento e contratação de professores.
Comentários