Depois de várias semanas de indefinição em que se chegou mesmo a colocar em causa a existência de um acordo entre a Casa Branca e a maioria republicana que domina a Câmara dos Representantes, foi resolvida a crise do teto da dívida nos EUA.

Em que consiste este acordo o que poderia ter acontecido caso as partes não tivessem chegado a um entendimento? Conheça a resposta a estas e a outras perguntas a propósito da crise do teto da dívida nos EUA.

Em que consiste o acordo entre a Casa Branca e a Câmara dos Representantes?

O acordo suspende o teto da dívida durante os próximos dois anos, até depois das eleições presidenciais de novembro de 2024.

Em contrapartida, prevê limites para as despesas com programas financiados pelo Congresso em áreas como os cuidados de saúde, a educação, a justiça e a proteção ambiental, entre outros.

Que caminho fez este acordo entre os vários órgãos?

Com 63 votos a favor e 36 contra, o projeto de lei passou, na quinta-feira, o último obstáculo legislativo antes de chegar à Sala Oval para ser assinado pelo Presidente.

O projeto de lei foi aprovado pelo Senado um dia depois de a câmara baixa, controlada pelos republicanos, ter dado a aprovação a quatro dias antes do prazo estabelecido pelo Departamento do Tesouro para que os EUA pudessem entrar em incumprimento da dívida do país.

O que poderia acontecer se não houvesse acordo?

A aprovação nas câmaras do Congresso (Câmara dos Representantes e Senado) foi crucial para que o país não entrasse em incumprimento da dívida pública, depois de o teto da dívida, o limite legal do dinheiro que os EUA podem pedir emprestado para cumprir compromissos, ter sido atingido em janeiro passado.

Como reagiu o presidente dos EUA?

O Presidente dos Estados Unidos saudou a aprovação pelo Senado, controlado pelos democratas, do aumento do teto da dívida e disse esperar assinar o acordo “o mais rápido possível”.

“Ainda temos muito trabalho pela frente, mas este acordo é um passo em frente fundamental e recorda-nos o que é possível fazer quando agimos no melhor interesse do nosso país”, afirmou Joe Biden, num comunicado divulgado na quinta-feira à noite, pouco depois da votação na câmara alta do acordo que evita a entrada em incumprimento da dívida do país.

Biden reconheceu que o acordo entre a Casa Branca e os republicanos, alcançado no fim de semana, não inclui “tudo o que cada uma das partes queria”, mas é “uma grande vitória para a economia e para o povo americano”.