Respostas rápidas: O que disse Vieira da Silva no Parlamento sobre a Raríssimas?

Vieira da Silva foi ouvido no Parlamento sobre ligações à Raríssimas. Audição surge depois de suspeitas de gestão danosa na Associação onde o governante foi vice-presidente da assembleia geral entre 2013 e 2015.

Cristina Bernardo

O ministro do Trabalho foi ouvido no Parlamento esta segunda-feira sobre caso de alegada gestão danosa na Associação Nacional de Doenças Mentais e Raras. Audição de Vieira da Silva na Comissão de Trabalho e Segurança Social começou perto das 16 horas. Saiba aqui os esclarecimentos que já foram dados por Vieira da Silva.

Por que razão não ordenou uma inspeção no momento em que tomou conhecimento de suspeitas na instituição?

Eram aguardadas para hoje, na audição na Comissão do Trabalho e Segurança Social, as explicações do governante sobre o facto de não ter ordenado uma inspeção no momento em que tomou conhecimento de suspeitas na instituição. Vieira da Silva confirma que solicitou à uma inspecção global à Raríssimas, tendo em conta “o justificado alarme” provocado pela divulgação de alegadas irregularidades na gestão financeira pela TVI. E que já antes, a 31 de julho, tinha solicitado a intervenção do Instituto da Segurança Social, na sequência de um ofício dirigido ao seu gabinete que dava conta de denúncias de natureza estatutária. “Não caiu em saco roto”, diz Vieira da Silva.

Tinha ou não conhecimento da alegada gestão danosa da ex-presidente?

Vieira da Silva já garantiu que “nunca” recebeu “denúncias de gestão danosa”. O governante, que ao longo da semana passada falou três vezes sobre este caso, tem reiterado estar de consciência tranquila. Mas soube-se, entretanto, que  ministro responsável pela Segurança Social soube que existiam problemas na IPSS a 22 de junho, após uma reunião com a presidente, Paula Brito e Costa.

Sobre esta reunião Vieira da Silva garantiu hoje que na reunião com a presidente da Associação foram comunicadas irregularidades relativas a “utilização indevida” de donativos de uma secção da Raríssimas. “Foi comunicado oralmente e dei o conselho de enviar todos os elementos para o Ministério Público, porque poderia afectar a imagem e o bom nome da Associação”, afirmou o governante na audição da Comissão do Trabalho e Segurança Social, realçando que o conselho “foi seguido”.

Moveu as suas influências para beneficiar a instituição?

A pergunta surge numa altura em que surgem notícias que dão conta que o que o governante sabia que Paula Brito e Costa andava a apresentar a Raríssimas como fundação, quando na verdade não o era – havendo até um parecer negativo sobre a passagem a fundação por parte da Direção Geral da Segurança Social (tutelada precisamente por Vieira da Silva). Na sexta feira, Paula Brito e Costa garantiu, numa entrevista à RTP, que nunca nenhum político tinha ajudado tanto o projeto: “Ficar-lhe-ei grata para o resto da vida”.

No Parlamento, o governante assegurou hoje: “não houve qualquer favorecimento a esta associação no modo como este ministério, sob minha responsabilidade, se relacionou com a Raríssimas”. Vieira da Silva afirmou ainda “de forma enfática” que, tendo participado num dos seus órgãos sociais durante dois anos, não retirou “nenhum benefício pessoal ou material”.

Relacionadas

“Nunca retirei nenhum benefício pessoal”, garante Vieira da Silva sobre a Raríssimas

O ministro do Trabalho e da Segurança Social garante que não houve nenhum favorecimento à associação Raríssimas. No Parlamento, acaba de assegurar que não existiu, da sua parte e da equipa que o acompanhava, qualquer negligência relativamente à análise de denúncias relativas a esta associação.

Vieira da Silva: Segurança Social abriu processo à Raríssimas em julho

“A investigação é da competência do Ministério Público e quando o Ministério Público está a investigar, os serviços do ministério não estão em competição”, afirmou Vieira da Silva, no Parlamento.

Investimento público na Raríssimas superou dois milhões de euros, segundo Vieira da Silva

O ministro do Trabalho, que foi vice-presidente da assembleia-geral da Raríssimas entre 2013 e 2015, garantiu várias vezes que não houve qualquer favorecimento por parte do Estado ou do Governo à associação.

Raríssimas: António Costa sem “nenhum indício” de favorecimento político

O primeiro-ministro escusou-se hoje a comentar, em Bruxelas, suspeitas sobre um eventual favorecimento político na atribuição de subsídios à Raríssimas, uma IPSS (Instituição Particular de Solidariedade Social, alegando não ter “nenhum indício” nesse sentido.
Recomendadas

Justiça suíça abre processo sobre fuga de informação no Credit Suisse

Em fevereiro de 2022 foram expostas mais de 18 mil contas do Credit Suisse que estarão ligadas a empresários sobre os quais recaem sanções ligadas à violação dos direitos humanos, e pessoas envolvidas em esquemas de fraude.

Tribunal de Leiria condena homem a 10 anos de prisão por abuso sexual de enteadas

O Tribunal Judicial de Leiria condenou um homem a 10 anos de prisão por cinco crimes de abuso sexual de criança agravados, de que foram vítimas duas irmãs, suas enteadas, segundo o acórdão hoje consultado pela agência Lusa.

Processo que envolve direção do Benfica em segredo de justiça

Os advogados do Benfica referiram hoje que o processo em que a SAD e membros do Conselho de Administração do mandato 2016-2020 foram constituídos arguidos está em “segredo de justiça” e que a divulgação “pode constituir ilícito criminal”.
Comentários