Retalho, um setor que está a moldar o futuro através do talento

Vivemos na Era da aceleração e da disrupção e ainda assim fomos colocados à prova através de uma pandemia que amplificou as transformações ao nível das pessoas, das organizações e da economia.

Vivemos na Era da aceleração e da disrupção e ainda assim fomos colocados à prova através de uma pandemia que amplificou as transformações ao nível das pessoas, das organizações e da economia.
O Retalho foi dos setores que mais desafios teve de enfrentar: assegurar que a complexa operação logística não perdia eficiência, garantir que as superfícies de consumo de bens de primeira necessidade se mantinham abertas ao público (e com as condições de segurança necessárias) e desenhar uma estratégia assente em canais alternativos e multiformato, para chegar ao consumir final. Como setor competitivo e inovador que é, aproveitou a adversidade para acelerar a sua transformação, incorporando tecnologia, inteligência artificia e modernos conceitos de marketing digital, para criar novas experiências junto do consumidor.

E porque o consumidor está cada vez mais exigente, mais informado, com novos interesses e necessidades, antevê-se que os próximos anos continuem a ser de profunda transformação, com as empresas do setor a procurar posicionar-se na vanguarda das novas tendências. Uma aprendizagem que ficou clara com a pandemia, foi o papel central do talento na estratégia organizacional. Ter as melhores pessoas, alinhadas, preparadas e motivadas para responder aos imprevistos e criar boas soluções em tempo record, é essencial, sob o risco de não conseguir transformar a adversidade em vantagem competitiva. Pelo que, fomos assim compreender junto das principais empresas, o que estão a fazer, em termos de práticas de Recursos humanos.
De facto, assistimos a um posicionamento cada vez mais estratégico no papel da gestão de talento, com o intuito de promover maior agilidade, flexibilidade e uma resposta mais eficaz às necessidades em contexto de ambiguidade. Este movimento tem sido feito, através de uma aposta significativa em 4 componentes estratégicas:

1. Experiência do Colaborador
Urge a preocupação em proporcionar uma experiência marcante e positiva, através de uma jornada bem definida, satisfazendo os interesses e motivações das diferentes gerações que coexistem na organização. O recrutamento, o onboarding e a formação e desenvolvimento são as 3 maiores apostas deste setor.

2. Client Centricity
Assistimos à necessidade de revisitar os modelos de atendimento existentes (presencial e online) e de desenhar novas abordagens, que asseguram maior coerência entre canais e permitem uma experiência impactante – promovendo uma experiência digital humanizada.

3. Novas formas de trabalhar
O setor do retalho é vincado por três realidades distintas – loja, logística/armazém e sede – que em muito diferem nas formas de trabalhar. Não obstante este desafio acrescido, denota-se preocupação em acomodar novas formas de trabalhar que incluem o horário flexível, redução de horário, licenças sem vencimento e a implementação de metodologias colaborativas, agile e de autogovernance.

4. Reskill e Upskill
Para potenciar a tecnologia, a inovação e a experiência do cliente, o setor tem apostado em elevar as competências das suas pessoas em áreas como o e-commerce, business analyst, IT, pensamento estratégico, liderança ou atendimento ao cliente, numa perspetiva de aprendizagem contínua, pois os perfis requeridos, estão em constante mudança.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

O (des)governo dos dados nas organizações

As organizações são fontes de geração e de consumo de dados em larga escala. Esta evolução tem trazido grandes oportunidades, mas também grandes desafios às empresas, nomeadamente no mercado português onde constatamos um “governo desgovernado” dos dados e isso revela-se potencialmente ao nível dos custos financeiros, riscos de conformidade, riscos reputacionais (e.g. fugas de dados, sejam eles pessoais ou de negócio) e até sob a perspetiva da sustentabilidade (ESG) que está hoje, e bem, na ordem do dia (a União Europeia estima que, em 2030, os Data Centers representem 3,2% do consumo total de eletricidade).

Tendências no consumo de energia: Save Money, Save Time, Save the Planet

Ao longo de 2021 e 2022, a EY conduziu um estudo 1) envolvendo 70.000 consumidores de 18 países (2.007 inquiridos em Portugal) para compreender as suas preferências e comportamentos.

Biodiversidade e alterações climáticas – reflexão entre COPs

As alterações climáticas e a perda de biodiversidade são duas das maiores ameaças que colocam em causa a resiliência dos sistemas socio ecológicos, que sustentam a vida humana. Acresce a este facto, a agravante destas ameaças estarem interligadas.
Comentários