PremiumRevolut já tem crédito para se sentar à mesa com os grandes

A Revolut vai lançar cartões de crédito e serviços de investimento. CEO diz que é o passo para ser “verdadeiro banco digital” com expansão global.

A Revolut, um espelho da rápida transformação da indústria financeira, vai passar a sentar-se na mesa dos ‘grandes’ dentro de pouco tempo, abandonando o rótulo de fintech. “É com muito entusiasmo que anunciamos que a nossa aplicação para obter uma licença bancária europeia foi hoje aprovada pelo Banco Central Europeu”. Foi assim que a Revolut celebrou ter ganho um lugar ‘ringue’ que estava reservado aos bancos, a 13 de dezembro de 2018.

Fundada em julho de 2015 por Nikolay Storonsky e Vlad Yatsenko, a Revolut prepara-se para fazer aquilo que, até agora, separava os bancos das fintech: utilizar os depósitos para conceder crédito.

Em entrevista ao Jornal Económico na Web Summit, esta quinta-feira, Nik Storonsky, como é conhecido o CEO da Revolut, revelou que “em dezembro vamos operacionalizar o banco e passar a emitir cartões de crédito”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

BCE alerta que irá ter prejuízos em 2022 por causa de uma década de política monetária expansionista

O BCE explicou que os prováveis prejuízos em 2022 se devem à subida das taxas de juro que vai aumentar a remuneração dos 5 biliões de euros que os bancos comerciais têm depositados nos bancos centrais.

Business Roundtable crítica complexidade da redução do IRC para aumentos salariais em 2023

A Associação Business Roundtable Portugal (BRP), constituída por empresas e grupos empresariais relevantes em Portugal e liderada por Vasco de Mello, fez um comentário ao Orçamento do Estado para 2023. O destaque vai para as críticas à complexidade do incentivo no IRC às empresas que aumentem os salários.
Comentários