Rui Rio diz que será “mau para o país” se Ventura tiver votação “expressiva”

O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou esta quarta-feira que “será mau para o país” se o líder do Chega e candidato a Belém André Ventura tiver uma votação “grande e expressiva” nas eleições presidenciais.

Flickr/PSD

Em entrevista à Antena 1, Rio escusou-se a responder se preferia ver Ana Gomes ou André Ventura em segundo lugar nas presidenciais de 24 de janeiro.

“Obviamente que, para o país, acho que será mau se o líder do Chega, dr. André Ventura, tiver uma votação grande e expressiva. Não é bom para o país porque o discurso que ele tem feito é um discurso que não gostaria que fosse fortemente premiado em eleições”, disse.

Na mesma entrevista, Rio disse ser “vital” para o PSD ter um bom resultado nas autárquicas do próximo ano e disse partir para as disputas em Lisboa e Porto “com vontade de ganhar” e não apenas “por um resultado jeitoso”, escusando-se a falar em nomes de possíveis candidatos.

À Antena 1, o presidente do PSD voltou a criticar o dinheiro público que já foi colocado pelo atual Governo no Novo Banco e na TAP, calculando que daria para construir “16 hospitais centrais ou mais de 2.000 centros de saúde”, e classificou como “um desaforo” os aumentos de vencimentos dos administradores da transportadora aérea.

Relacionadas
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo Rebelo de Sousa: “Há várias ideias que me incomodam em vários partidos”

Mesmo dizendo que não cabe ao Presidente da República apelar à ilegalização de partidos, o candidato à reeleição para um segundo mandato recordou, na entrevista à RTP, que a primeira versão do programa do Chega previa “implodir o Serviço Nacional de Saúde e era contra a escola pública”.

Parlamento chumba pedido de André Ventura para suspensão de mandato

PS, PSD, BE e PCP votaram contra o parecer apresentado pelo deputado centrista João Almeida que previa a substituição de André Ventura durante a campanha eleitoral referente às presidenciais. Votaram a favor desta proposta o CDS, PAN e ainda os deputados socialistas Jorge Lacão e Isabel Oneto.
Recomendadas

Costa pede novas regras fiscais europeias que permitam investimentos estratégicos

Quando a União Europeia debate uma revisão das regras fiscais e financeiras o primeiro-ministro, António Costa, considera que existe uma proposta da Comissão que já tem “contributos muito positivos”, no entanto, é necessário, para além desses contributos, “um estabilizador macroeconómico permanente”, para “estabilização em situações de crise”.

Detida vice-presidente do Parlamento Europeu em investigação de lóbi ilegal do Qatar

A social-democrata grega Eva Kaili, está entre os cinco detidos na Bélgica no âmbito de uma investigação sobre alegado lóbi ilegal do Qatar para influenciar decisões políticas em Estrasburgo, diz a imprensa belga.

Eutanásia: Montenegro reitera dúvidas e diz que PS e Chega são “cúmplices no medo do referendo”

A Assembleia da República aprovou a despenalização da morte medicamente assistida em votação final global, pela terceira vez, com votos a favor da maioria da bancada do PS, da IL, do BE, dos deputados únicos do PAN e Livre e ainda de seis parlamentares do PSD. Votaram contra a maioria da bancada do PSD, os grupos parlamentares do Chega e do PCP e seis deputados do PS, registando-se três abstenções entre os sociais-democratas e uma na bancada socialista.
Comentários