Rui Rio diz que “PS optou por mentir, deturpar as nossas propostas”

Para o presidente do PSD é preciso ser-se mais célere no que toca “a fazer as reformas que o país precisa e passar para outro patamar, é decidir que temos coragem da fazermos as reformas”. 

O presidente do Partido Social Democrata, Rui Rio escolheu parte do seu discurso a explicar que o PS tem mentido durante a campanha relativamente às propostas do PSD.

Rui Rio apontou que tem feito campanha a “divulgar as ideias” do partido. “Acho que é assim que se deve fazer uma campanha eleitoral, mas não é assim que o PS acha, que se deve fazer uma campanha eleitoral”, considerou.

“O PS nem sequer decidiu contrariar aquilo que eram as nossas propostas o PS optou por mentir, deturpar as nossas propostas para incutir o medo nas pessoas e para fazer prevalecer a mentira. merecem perder como eu ontem disse, quando é assim que procuram fazer uma campanha eleitoral”, apontou o presidente do PSD.

“Quando dizem que nós queremos pôr as pessoas a pagar o Serviço Nacional de Saúde para lá daquilo que já pagam através dos seus impostos é falso. Agora o que não é falso que foi o PS que degradou o Serviço Nacional de Saúde com o aumento das listas de espera, com a degradação das urgências”, sublinhou.

De acordo com Rui Rio apontou também que o “PS acabou também por mentir dizendo que nós queremos privatizar a segurança social quando fui eu o primeiro a dizer nesta campanha eleitoral que não é admissível que as pensões de reforma estejam na bolsa”.

Rui Rio faz apelo às “reformas que o país precisa” no último dia de campanha

Cumpre-se o último dia de campanha eleitoral e o presidente do PSD, Rui Rio visitou a Liga dos Bombeiros Portugueses e frisou que o país precisa ser rápido a fazer reformas.

“Em Portugal nada funciona, ouço muitas vezes as pessoas dizerem isto. O que estão a dizer dito de forma mais sofisticada é dizer há um enquistamento grande na sociedade, em diversos sectores, que depois a dada altura agarram-se uns aos outros e quando puxamos por uma ponta vem tudo agarrado”, sublinhou Rui Rio.

Para o presidente do PSD é preciso ser-se mais célere no que toca “a fazer as reformas que o país precisa e passar para outro patamar, é decidir que temos coragem da fazermos as reformas”.

“Há coisas onde é obvio e objetivo e há coisas que naturalmente são subjetivas, mas temos de ter primeiro essa predisposição e depois se não nos entendermos, bom, aí temos outro problema. Mas para já que haja a coragem de o fazer”, sublinhou.

De recordar que nos últimos dias de campanha a Iniciativa Liberal piscou o olho ao PSD e assegurou que a IL devia ser a força motivadora para impulsionar o PSD em aplicar reformas no país.

Até há poucos dias o PSD tinha ultrapassado o PS nas sondagens e saía vitorioso no dia 30 de janeiro, mas a sondagem Expresso/SIC, divulgada esta quinta-feira, aponta para um empate técnico, com o PS à frente do PSD por apenas dois pontos (35% para 33%). Um resultado tão próximo que a equipa do ISCTE-ICS assinala ser “impossível inferir” qual dos dois partidos pode sair vencedor

Os resultados do inquérito revelam ainda outro empate mais abaixo na tabela de resultados: Chega, Iniciativa Liberal e CDU com 6% das intenções de voto, seguidos de perto pelo Bloco de Esquerda, com 5%.

Recomendadas

José Luís Carneiro, das comunidades portuguesas no estrangeiro à Administração Interna

José Luís Carneiro é o novo ministro da Administração Interna e regressa a um ministério no qual já desempenhou o cargo de assessor entre 1999 e 2000. O antigo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas tem uma forte ligação ao poder local.

PS conquista dois mandatos do círculo da Europa e reforça maioria absoluta para 120 deputados

Depois de na primeira votação, a 30 de janeiro, PS e PSD terem conquistado um mandato cada um no círculo da Europa, na repetição da votação, o PS acabou por eleger o cabeça-de-lista pelo círculo, Paulo Pisco, mas também o segundo nome na lista, Nathalie de Oliveira.
eleições_legislativas_voto_urna_votar

Legislativas: Governo diz que votaram 152 emigrantes no fim de semana

Segundo o Governo “esse número representa um acréscimo de 31% face aos 116 cidadãos que exerceram o seu direito de voto presencial” a 30 de janeiro.
Comentários