Salário médio dos portugueses cai 4,6% por causa da inflação (com áudio)

As remunerações subiram no segundo trimestre, mas a inflação “comeu” esse aumento. Em termos reais, o salário médio diminuiu 4,6%, indica o INE esta quinta-feira.

VISTA ALEGRE ÍLHAVO – FÁBRICALIONELBALTEIRO/LAMOUSSE

Entre abril e junho, a remuneração média dos trabalhadores portugueses aumentou mais de 3%, o que corresponde a uma aceleração, mas a inflação “comeu” essa subida. De acordo com o destaque publicado esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatísticas, em termos reais, os salários caíram 4,6%, no segundo trimestre do ano.

“A remuneração bruta total média por trabalhador aumentou 3,1%, no trimestre terminado em junho, em relação ao mesmo período de 2021, para 1.439 euros. Em termos reais, tendo como referência a variação do Índice de Preços no Consumidor (IPC), a remuneração bruta total média média diminuiu 4,6%”, avança o gabinete de estatísticas. De notar que em junho o IPC verificou uma subida de 8%, na segunda metade do primeiro trimestre.

Em maior detalhe, no segundo trimestre do ano, a componente regular da remuneração média dos portugueses (que exclui os subsídios de Natal e férias) e a componente base subiram 2,5% para 1.139 euros e 1.069 euros, respetivamente, mas em termos reais caíram 5,1%, refletindo o peso da escalada dos preços nos rendimentos dos portugueses.

O Governo anunciou que em setembro avançará com um novo pacote de medidas de apoio, face à inflação galopante, no qual poderá constar, por exemplo, um novo aumento das pensões. Essa medida está a ser ponderada, mas ainda não é certo se e como avançará.

Esta quinta, o INE acrescenta que, face ao mesmo período de 2021, os maiores aumentos da remuneração total foram observados nas atividades de eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio (21,2%), nas empresas de 1 a 4 trabalhadores (6,5%), no setor privado (4,4%) e nas empresas de serviços de alta tecnologia com forte intensidade de conhecimento (6,1%).

“Não foram observadas variações negativas da remuneração total, tendo as menores variações homólogas sido observadas nas atividades de Administração Pública e Defesa; Segurança Social Obrigatória (0,1%), nas empresas com 250 a 499 trabalhadores (0,1%), no setor das Administrações Públicas (1,4%) e nas empresas de outros serviços com forte intensidade de conhecimento (1,3%)”, sublinha o INE.

Estes resultados dizem respeito aos 4,4 milhões de postos de trabalho registados na Segurança Social e na Caixa Geral de Aposentações.

(Notícia atualizada às 11h45)

Recomendadas

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.
Comentários