São Tomé e Príncipe levanta restrições da pandemia

A partir de hoje, a exceção será a continuação da obrigatoriedade de apresentação do teste de antigénio negativo por quem pretende entrar no país.

As medidas restritivas impostas por causa da Covid-19 em São Tomé e Príncipe terminam a partir desta segunda-feira, dia 1 de agosto, anunciou recentemente o governo são-tomense.

“Foi decidido a partir de 1 de agosto suspender todas as medidas restritivas que o Governo vem aplicando a nível de combate à covid-19”, disse o ministro da Presidência, do Conselho de Ministros, Novas Tecnologias e Assuntos Parlamentares, Wuando Castro, que falava no final da reunião do Conselho de Ministros.

Wuando de Castro justificou o levantamento das medidas restritivas com a taxa de imunização da população e o número de novos casos semanalmente.

O estado de contingência terminou ontem, dia 31 de julho. A partir de hoje, a exceção será a continuação da obrigatoriedade de apresentação do teste de antigénio negativo por quem pretende entrar no país, detalhou. “Para esses casos, passageiros a partir de 12 anos de idade têm que apresentar o teste de antigénio negativo realizado até 48 horas antes da viagem”, afirmou.

A utilização de máscaras em espaços fechados passa a ser facultativa.

“Deixa de ser obrigatório nas lojas, nas reuniões, nos locais de trabalho. Passa a ser facultativo para quem queira ainda sentir-se mais seguro. Mas deixa de ser obrigatório, assim como a necessidade de higienização constante das mãos”, acrescentou o governante.

Segundo Wuando Castro, a abolição das medidas restritivas tem a ver com os dados de imunização e de contágio no arquipélago.

“Neste momento, constatamos que nas últimas semanas tem havido uma taxa de positividade de cerca entre 2 a 3% de casos positivos, o que nós consideramos bastante aceitável. Por outro lado, a nível da vacinação, nós já temos mais de 101.000 pessoas com as doses completas de vacina, ou seja, com duas doses de vacina, embora esteja ainda em andamento, a aplicação da dose de reforço”, salientou.

Nas últimas semanas São Tomé e Príncipe regista entre 10 a 13-14 casos ativos por semana e atualmente há três doentes internados no Hospital Central, mas sem apresentarem “um quadro sintomático grave”, elucidou.

“O Governo passado este tempo todo ponderou e achou que já é altura de começarmos a tentar voltar àquilo que nós podemos chamar a nossa vida normal (…). Aprendemos a conviver com elas nos últimos anos, mas a partir de agora, atendendo aos dados que nós analisamos, achamos que já não faz sentido manter essas medidas restritivas”, disse.

Semanalmente, o governo são-tomense continuará a monitorizar a evolução da doença e, caso se justifique, adotará “as que se impuserem como necessárias”.

“Mas até lá acreditamos que passado este tempo todo, com este nível da população imunizada, com a vacina, compilando os dados dos últimos dois a três meses, acreditamos que estamos agora numa fase descendente e vamos voltar assim ao novo normal”, concluiu.

Recomendadas

‘Stock’ da dívida pública de Cabo Verde aproxima-se dos 150% do PIB

O governo cabo-verdiano estima baixar o rácio do ‘stock’ da dívida pública para 150,9% do PIB em 2022, conforme prevê o Orçamento do Estado, depois dos 155,6% em 2020, devido aos efeitos económicos da pandemia.

Consórcio operado pela Galp anuncia primeira perfuração no poço Jaca

Em abril, foi iniciada esta primeira perfuração petrolífera, com o navio-sonda Maersk Voyager, que conduz a operação.

Cartas de condução de países da CPLP e da OCDE passam a ser permitidas em Portugal

Apesar de deixar de ser necessário de trocar de carta, existem várias regras a cumprir. Saiba quais.
Comentários