Observadores da CPLP dizem que votação em São Tomé e Príncipe correu “acima das expetativas”

No total, onze partidos e movimentos, incluindo uma coligação, concorrem este domingo aos 55 lugares da Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe.

O chefe da missão de observação eleitoral da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) às eleições legislativas, autárquicas e regionais de São Tomé e Príncipe considerou este domingo que a votação “correu acima das expetativas”.

“Até onde a nossa missão pôde observar, e a nossa missão observou grandes zonas do país, inclusive na Região Autónoma do Príncipe, do ponto de vista da chefia da missão, o pleito correu acima das expectativas e entendemos que as expetativas do eleitorado foram cumpridas”, afirmou o embaixador do Brasil em Angola, Rafael Vidal, junto a uma assembleia de voto na capital são-tomense, já após a hora oficial de fecho das urnas (17h locais, mais uma hora em Lisboa).

Segundo o chefe da missão de observação eleitoral (MOE) da comunidade lusófona, “foi um dia de grande ordem, disciplina, espírito cívico”.

Os 21 observadores da CPLP, acrescentou, registaram, nas mesas de voto de todo o país, “a grande disciplina, a grande preparação dos membros das mesas de voto, todos eles muito concentrados, muito bem organizados, seguindo os rigores da lei eleitoral de São Tomé e Príncipe”.

Rafael Vidal destacou ainda “uma participação dos eleitores bastante expressiva, em todas as zonas eleitorais”, ressalvando que “em algumas [mesas de voto] houve atrasos na abertura, mas não comprometeram o desenrolar do pleito”.

O diplomata afirmou ainda que “todas as regras foram respeitadas”, nomeadamente no acesso a pessoas com deficiência às assembleias de voto e na participação das mulheres.

“Entre os delegados e membros de mesa, vimos algumas assembleias compostas exclusivamente de mulheres, outras com uma distribuição equitativa”, referiu.

As urnas abriram às 7h e encerraram às 17h locais (mais uma hora em Lisboa), apesar de em algumas mesas de voto, cerca de uma hora e meia depois, ainda se votar. Nas duas ilhas que compõem o país, houve um total de 309 mesas de voto para os 123.301 eleitores.

No total, onze partidos e movimentos, incluindo uma coligação, concorrem este domingo aos 55 lugares da Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe.

Pela primeira vez, 14.692 cidadãos residentes em dez países da Europa e África elegem um deputado por cada círculo. Os restantes 53 deputados são escolhidos pelos seis distritos da ilha de São Tomé e pela região do Príncipe.

Os eleitores são-tomenses têm igualmente de escolher os próximos presidentes das autarquias e o Governo Regional do Príncipe também vai a votos.

Recomendadas

Portugal “acompanha” declaração condenatória da UE sobre eleições na Guiné Equatorial

“Com a proclamação dos resultados definitivos das eleições presidenciais, legislativas e municipais pelo Tribunal Constitucional da República da Guiné Equatorial, conclui-se o processo eleitoral. A este respeito, Portugal acompanha as declarações emitidas pelas organizações que integra – CPLP e UE”, fez saber o Ministério dos Negócios Estrangeiros numa nota hoje divulgada no Portal Diplomático.

Presidente da República de São Tomé e Príncipe pede investigação e responsabilização de culpados de mortes após ataque a quartel

Após o ataque de sexta-feira da semana passada ao quartel militar, numa ação classificada como “tentativa de golpe de Estado” pelas autoridades são-tomenses, o Presidente esclareceu que as “investigações prosseguem no sentido do apuramento geral da verdade”.

Sindicato dos Jornalistas da Guiné-Bissau afirma que novas licenças são “forma civilizada” de acabar com imprensa

O Governo guineense publicou, com data de 18 de outubro, um despacho conjunto dos ministros das Finanças, Ilídio Vieira Té, e da Comunicação Social, Fernando Mendonça, no qual fixa novos valores para aquisição de alvarás para atividades de radiodifusão, televisão, jornais e filmagens no país.
Comentários