Saúde e cultura são “calcanhar de Aquiles” do Portugal 2020

Presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) defendeu em Coimbra uma preparação cuidada da reprogramação do Portugal 2020, considerando como áreas mais prementes a saúde e a cultura.

A reprogramação do Portugal 2020 “deve ser preparada cuidadosamente, de forma a corrigirem-se desconformidades”, nomeadamente propostas e orientações que “não estão a ser bem conseguidas na área da cultura e, em alguns aspetos, na área da saúde”, disse à agência Lusa o presidente da ANMP, Manuel Machado, no final da reunião do conselho geral da associação.

Nessas duas áreas, sublinhou, os mapeamentos feitos no âmbito do quadro de apoio comunitário “não estão bem conseguidos”, sendo que “o que foi mapeado não está a ser realizado” e não está “a arrancar para o terreno”, constatou.

“Uma das componentes importantes é a falta de dinheiro para a contrapartida nacional de cada uma das operações”, notou, considerando que agora na fase de reprogramação do Portugal 2020 estes “aspetos menos positivos têm de ser corrigidos”.

Na área da cultura, as intervenções previstas são, regra geral, em monumentos nacionais, “mas depois o Orçamento do Estado não acompanha a dotação necessária para a contrapartida nacional e as coisas ficam paradas”, sublinhou Manuel Machado.

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários