PremiumSaúde reforçada com quase mil milhões fica atrás do Trabalho e Finanças

Subidas consideráveis nas verbas destinadas ao Ambiente e Ação Climática e à Economia e Transição Digital refletem apostas para a nova legislatura. Mas a parte de leão do Orçamento mantém-se nas mesmas pastas.

Um reforço de 941 milhões de euros na dotação do Ministério da Saúde na proposta do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) em relação ao ano anterior, atingindo uma despesa total consolidada de 11.225,6 milhões de euros, confirma o estatuto de prioridade que o primeiro-ministro AntónioCosta lhe deu, mas as maiores fatias da despesa pública continuarão a destinar-se aos tradicionais campeões do Conselho de Ministros: Trabalho,Solidariedade e Segurança Social, que atinge 21.279,9 milhões de euros, e Finanças, com 15.805,4 milhões de euros mesmo sem levar em conta os 7197 milhões destinados a pagar juros da dívida pública.

O Ministério do Trabalho, que transitou de Vieira da Silva para Ana Mendes Godinho na nova legislatura, pode contar com mais 847 milhões de euros do que executou em 2019, com as transferências para a segurança social a atingirem 9.022,8 milhões de euros (mais 343 milhões de euros), enquanto a intervenção nas áreas do emprego, trabalho e formação profissional tem um acréscimo inferior a 900 mil euros, para 47,989 milhões de euros. Por seu lado, as Finanças reduzem a dotação para a ação governativa e serviços de apoio a definição de políticas, mantendo os 182 milhões de euros destinados a organismos de supervisão e subindo quase 64 milhões de euros as verbas para serviços tributários e aduaneiros.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Inovação e aposta no digital para competir no mercado estrangeiro

Especialistas defendem que os processos empresariais devem ser cada vez mais incorporados com meios tecnológicos, ao mesmo tempo que destacam a importância de conseguir atrair e reter talento. Por Rodolfo Alexandre Reis

Pandemia custou ao Estado português 3.302,7 milhões de euros até outubro

No período homólogo, a pandemia de covid-19 tinha custado 6.247,9 milhões de euros ao Estado, segundo foi então divulgado pela Direção-Geral do Orçamento.

OE2023: Ministro Pedro Nuno Santos traça linha de demarcação entre socialistas e direita

O ministro das Infraestruturas e da Habitação traçou hoje uma linha de demarcação entre socialistas e direita em torno das opções políticas, acentuando uma ideia de “liberdade igual para todos” em contraponto à “desregulação e competição”.
Comentários