Se Portugal crescesse como Espanha, o PIB teria mais 43 mil milhões

Na nota de conjuntura de novembro, o Fórum para a Competitividade sublinha que Espanha cresceu 31,3% nos últimos dez anos, enquanto Portugal cresceu 7,5%.

A economia portuguesa cresceu 7,5% nos últimos dezassete anos, enquanto a vizinha Espanha registou um crescimento de 31,3% no mesmo período, segundo a nota de conjuntura de novembro do Fórum para a Competitividade, divulgada esta terça-feira, com base nos dados da AMECO.

O director do gabinete de estudos da organização, Pedro Braz Teixeira, refere que se entre 2000 e 2017 “Portugal tivesse crescido tanto como Espanha”, o Produto Interno Bruto (PIB) seria actualmente 43 mil milhões de euros superior, o que representaria uma margem de 18 mil milhões de euros de receita pública adicional, com impacto para um défice público menor, impostos mais baixos e aumentar o investimento público.

“Para se ter uma ideia mais palpável desta simulação (com todas as suas limitações), ela significaria que o PIB seria 43 mil milhões de euros mais elevado (238 em vez de 195 mil milhões de euros em 2017), o que, aplicando as actuais taxas de imposto, de contribuições e outras receitas correntes (42,5% do PIB), geraria 18 mil milhões de euros de receitas públicas adicionais (mais de 9% do actual PIB)”, salienta.

A nota de conjuntura destaca ainda que se o crescimento “tivesse tido a qualidade do espanhol (com défices externos limitados), também não teria sido necessário pedir ajuda à “troika”, nem uma dose tão elevada de austeridade”.

No cenário traçado pelo Fórum para a Competitividade, “a dívida pública poderia estar num nível muito parecido com o do nosso vizinho”, devendo as taxas de juro ser semelhantes e “os impostos poderiam ser mais baixos, sobretudo a nível dos combustíveis”.

Recomendadas

Prestação da casa sobe entre 108 e 251 euros em dezembro

A prestação da casa paga pelos clientes bancários no crédito à habitação vai subir acentuadamente este mês nos contratos indexados à Euribor a três, seis e 12 meses, face às últimas revisões, segundo a simulação da Deco/Dinheiro&Direitos.

Compras das festividades aconteceram mais cedo e serão maiores este ano, segundo a Meta

Alguns dos motivos que podem explicar este acontecimento é o facto de os consumidores estarem preocupados com a escassez de bens, antecipando a compra dos presentes desejados, enquanto as empresas com excesso de stock procuraram eliminá-lo com grandes descontos.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo Pierre Gramegna lidera MEE a partir de hoje

Numa reunião realizada à distância na passada sexta-feira, o Conselho de Governadores do MEE, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, decidiu nomear o luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor executivo do fundo de resgate da zona euro.
Comentários