SEF: Chega e Iniciativa Liberal acusam Eduardo Cabrita de mentir e pedem demissão do MAI

Os deputados do Chega e da Iniciativa Liberal pediram a demissão de Eduardo Cabrita do ministério da Administração Interna durante a audição na comissão parlamentar que está a debater a morte de Ihor Homeniuk, há nove meses, nas instalações do SEF. Ambos os deputados acusaram o ministro de mentir em todo o processo do SEF.

O deputado único do Chega, André Ventura, considerou que o Governo está perante uma situação de “humilhação” do SEF e questiona o ministro da Administração Interna (MAI) sobre “quem mentiu” quanto à questão da fusão da PSP e do SEF, anunciada, esta semana, pelo diretor nacional desta força de intervenção.

“Quem mentiu? O senhor diretor nacional [da PSP], o Presidente da República ou o primeiro-ministro? Se foi assim, acho que este diretor nacional da PSP não tem condições para continuar como diretor nacional”, afirmou o deputado único do Chega, André Ventura, esta terça-feira na audição da comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, no Parlamento.

“Temos de perceber o que se passa, não podemos ter aqui um concurso de ideias sobre o que se passa no SEF, na PSP ou o que cada um passa pela cabeça. É ou não possível manter um diretor nacional em funções, Magina da Silva, à saída do Palácio de Belém que está a trabalhar com o MAI na fusão da PSP com o SEF e o primeiro-ministro ter vindo hoje desmentir que isso esteja a acontecer. Não é aceitável em democracia”, disse.

Ainda na sua intervenção, André Ventura questiona se Eduardo Cabrita se concorda com a extinção do SEF, conforme afirmou Joacine Katar Moreira e considerou que o ministro da Administração Interna “não tem nenhumas condições para se manter em funções”.

Ministro “mentiu ao Parlamento”

Por sua vez, João Cotrim de Figueiredo, do Iniciativa Liberal, questiona o ministro sobre o apuramento dos factos, listando o que se sabe até agora: Ihor Homeniuk morreu às mãos do SEF, vários inspetores foram cúmplices do crime; só nove meses depois é que foi assumida a indemnização e demitida a diretora do SEF. No entanto, o ministro “mentiu ao Parlamento” quando disse que o SEF tinha instaurado um processo interno a 13 de março, quando só o fez dia 30.

Face à incoerência dos factos, João Cotrim Figueiredo pede a demissão do ministro.

Eduardo Cabrita está esta terça-feira a ser ouvido no Parlamento sobre o caso da morte do cidadão ucraniano Ihor Homeniuk, há nove meses, nas instalações do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) no aeroporto de Lisboa.

O cidadão terá sido vítima do crime de homicídio por parte de três inspetores do SEF, já acusados pelo Ministério Público, com a alegada cumplicidade de outros 12 inspetores. O julgamento deste caso terá início em 20 de janeiro.

Noves meses depois do alegado homicídio, a diretora do SEF, Cristina Gatões, demitiu-se na semana passada, após alguns partidos da oposição terem exigido consequências políticas deste caso. Cristina Gatões tinha dito em novembro que a morte do ucraniano foi o resultado de “uma situação de tortura evidente”.

 

Relacionadas

Bloco considera que Eduardo Cabrita “não é a pessoa certa” para reformulação no SEF

A deputada Beatriz Gomes acusa o Ministro da Admnistração Interna de uma falta do apuramento da verdade quanto ao caso da morte de Ihor Homeniuk, há nove meses, nas instalações do SEF. PSD acompanha onda de críticas, considerando que o “envio de condolências à família nove meses depois do sucedido parecem lágrimas de crocodilo”

“Não há qualquer registo de circunstância similar”. Eduardo Cabrita garante que morte de Ihor foi caso isolado

O ministro da Administração Interna ressalvou, em audição parlamentar, ser necessário “o apuramento total da verdade” e “investigar as circunstâncias do encobrimento e negligncia grosseira e omissão de auxilio” que levou à morte do cidadão ucraniano.
Recomendadas

Proposta do Chega para criar comissão de inquérito à gestão da pandemia será chumbada (com áudio)

Instrumentalização e banalização de comissões parlamentares de inquérito, esbanjamento de recursos, descredibilização de consensos e criação de ‘soundbite’ são as acusações dirigidas por PS, PAN e Livre ao Chega. Desde o início da legislatura, o partido já propôs cinco comissões parlamentares de inquérito, todas rejeitadas. O dia de hoje contribuirá para a tendência.

PremiumOrçamento da câmara de Caminha não prevê 300 mil euros de rendas a devolver

O presidente da câmara pediu a devolução de 300 mil euros pagos ao promotor de centro de exposições. Mas verba não está prevista no orçamento. Oposição diz que edil não tem esperanças de receber.
Carlos Moedas

Moedas diz que classe política “tem que dar o exemplo de devoção pelo bem comum”

O presidente da Câmara de Lisboa considerou hoje que o 1.º de Dezembro ensinou que a “classe política tem que dar o exemplo de devoção pelo bem comum”, não podendo fechar-se “sobre si mesma” ou considerar ser “imune à crítica”.
Comentários