Seis mortos e 20 feridos num tiroteio em escola na Rússia

“Hoje, a polícia recebeu um relatório sobre um tiroteio na Escola 88 em Izhevsk”, anunciaram os agentes de autoridade russos.

epa09910064 Russian President Vladimir Putin meets with Russian Olympic and Paralympic athletes during a state awards ceremony for Russian medal winners of the Beijing 2022 Olympic Winter Games at the Kremlin in Moscow, Russia, 26 April 2022. EPA/YURI KOCHETKOV

Pelo menos seis pessoas morreram e 20 ficaram feridas durante um tiroteio numa escola na cidade russa de Izhevsk, esta segunda-feira, informou a agência de notícias estatal russa “TASS”.

“Hoje, a polícia recebeu um relatório sobre um tiroteio na Escola 88 em Izhevsk. Os policias foram imediatamente para o local. Medidas estão a ser tomadas para deter o suspeito”, asseguraram os agentes da autoridade russos em comunicado. Relatórios sobre vítimas estão a ser verificados, acrescentaram.

A administração da escola disse que alunos e professores foram evacuados.

Já a “Sky News” aponta que o Ministério do Interior da Udmúrtia disse que o atirador matou-se, enquanto outros relatos da polícia local contrariam essa teoria e indicam de que os esforços ainda estão a ser feitos para deter o suspeito.

O governador Alexander Brechalov, da região da Udmúrtia, da qual Izhevsk é a capital, disse, no Telegram, que chegou à escola n.º 88 da cidade e que os serviços de segurança e equipas de ambulância estavam presentes.

 

Recomendadas

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.
Comentários