PremiumSerena Williams: o depois do adeus da rainha dos ases

“Vou fazer 41 anos no mês que vem [setembro] e algo tem de ceder”.

O adeus de uma das maiores tenistas da história da modalidade chegou na mais recente capa da revista “Vogue”, numa produção fotográfica em que surge ao lado da sua filha Olympia. E não é por acaso que a menina de quatro anos é fotografada ao lado da mãe. “Quando ela está com meu o telemóvel, a usar uma app educacional que lhe pergunta o que quer ser quando for grande, ela sussurra: ‘Quero ser a irmã mais velha’. Sou a mais nova de sete irmãs e as elas são as minhas heroínas, pelo que senti que devia prestar muita atenção a este momento”, confidenciou a tenista aos leitores da “Vogue”, algo que só faz com o seu psicólogo, como fez questão de sublinhar.

Em jeito de desabafo, Serena explica aquilo que considera ser a encruzilhada: “Acreditem, nunca quis ter que escolher entre o ténis e a minha família. Não é justo”. E faz a comparação: “Se fosse um homem não escreveria isto, porque estaria por aí a jogar e a ganhar enquanto a minha mulher estaria a fazer o esforço físico de alargar a nossa família. Caso pudesse, seria como o Tom Brady. Não me levem a mal, adoro ser mulher e adorei cada segundo da minha gravidez. E quase fiz o impossível”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

“Trair e Coçar é só começar” vai ter dois ensaios solidários

O público português tem a oportunidade de assistir aos últimos ensaios antes da grande estreia e apoiar, assim, duas associações de solidariedade.

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

PremiumPara saudar o regresso de um majestoso Jaen

Serve este texto para saudar a aposta de um produtor do Dão, a Caminhos Cruzados, integrada há cerca de dois anos no grupo da Quinta da Pacheca (no Douro), na comercialização de um monovarietal de uma das castas mais singulares que se produzem em Portugal: a Jaen (Mencia, em Espanha). Há quem diga que em relação à Jaen, ou se ama ou se detesta.
Comentários