Sindicato do Ensino Superior avança com ação judicial contra o Ministério liderado por Manuel Heitor

O SNESup, presidido por Gonçalo Leite Velho, acusa a tutela de nunca ter revisto o Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (RJIES), o que é “uma grave omissão por parte dos órgãos do Governo”.

Manuel Heitor

O Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESup) anunciou esta segunda-feira, 14de dezembro, ter interposto no Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa uma ação judicial contra o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, pela falta de revisão do Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (RJIES).

O RJIES consagrado no artigo 185.º da Lei n.º 62/2007, é o diploma basilar do ensino Superior, no que toca ao seu funcionamento, à regulamentação, gestão e organização das instituições e define alguns direitos dos docentes e investigadores. É também esta lei que baliza e trava irregularidades no setor.

“Desde que entrou em vigor, em 2007, que o RJIES nunca foi revisto ou alterado, acusa o SNESup, justificando: “Isto resulta numa violação da lei, desenhada enquanto o ministro Manuel Heitor era secretário de Estado do Ensino Superior, que fixa que a cada cinco anos este diploma seja analisado, o que deveria ter acontecido em 2012”.

De acordo com a ação do SNESup, a falta de revisão do RJIES é considerada como uma “grave omissão por parte dos órgãos do governo”, neste caso a tutela de Manuel Heitor, que “ao não providenciar ou tomar as diligências necessárias para que a avaliação seja efetuada” resulta “numa verdadeira má administração”.

“É inaceitável que há oito anos que a lei não seja cumprida e que não se abra a porta à revisão e a ajustes que podem melhorar o funcionamento de todo o sistema de ensino superior”, afirma a estrutura liderada por Gonçalo Leite Velho.

Recomendadas

PremiumAntigas gestoras voltam ao mercado de trabalho com a Católica-Lisbon

Programa destina-se a mulheres com background na área de gestão, finanças e economia, que estão fora há, pelo menos, dois anos. Há nova edição na forja.

PremiumParceria com Universidade Eduardo Mondlane reforça aposta da UPT na lusofonia

A cooperação entre as universidades portuguesa e moçambicana abrange as áreas da formação avançada, da mobilidade de estudantes e de ‘staff’, da formação pedagógica de docentes, bem como projetos de investigação.

Número de inscritos no ensino superior atinge máximo histórico com mais de 433 mil estudantes

“Este resultado mantém Portugal na trajetória necessária para atingir as metas de qualificação de longo prazo”, aponta o Governo.
Comentários