Swonkie, a plataforma de redes sociais que nasceu das apostas de futebol

Do Shark Tank Portugal para a América Latina, o Swonkie é uma plataforma de redes sociais portuguesa. “Vendemos tempo, conhecimento e poder de decisão aos players das redes sociais”, disse o cofundador, João Cortinhas.

“Poupe tempo na gestão das redes sociais!” É assim que a Swonkie se apresenta ao mundo na sua página da internet. O nome da empresa, estranho ao ouvido português, vem de um acrónimo Switch On Network, que anuncia o propósito desta startup portuguesa criada em 2016: “o Swonkie é uma plataforma de gestão de redes sociais” disse João Cortinhas, um dos fundadores da empresa, ao Jornal Económico. “Vendemos tempo, conhecimento e poder de decisão aos players das redes sociais”, sintetizou.

A ideia de criar a uma plataforma de redes sociais surgiu depois de constatar que as ferramentas existentes no mercado eram ineficientes, explicou Cortinhas. Depois de cerca de três meses a fazer a trading na internet durante jogos de futebol, o cofundador do Swonkie contou a experiência num blogue. “Perdia 90 minutos a fazer um jogo de futebol e três ou mais horas a criar conteúdo e a partilhar nas redes sociais”, disse. “Foi aí que pensei que tinha de haver uma forma melhor”.

O Swonkie opera no B2B e, atualmente, tem como clientes – ou ‘Swonkie Partners’, como lhes chama Cortinhas – não só agências de marketing digital mas também empresas na indústria dos media, como o Grupo Havas. Mas as ferramentas do Swonkie estão “a aumentar a produtividade dos gestores de redes sociais”, disse Cortinhas. “O nosso produto é focado em agências, publishers, marcas e até freelancers que trabalhem as redes sociais em grande volume”.

Cortinhas revelou como o Swonkie é a “única plataforma de gestão de redes sociais portuguesa”. No entanto, como demonstram os sinais desta era digital, tal “não invalida que não tenhamos concorrência em Portugal, porque [qualquer] serviço online [tem] concorrência em qualquer parte do mundo”.

A aposta do Swonkie passa agora pela internacionalização da operação, disse Cortinhas. “Estamos focados em conquistar novos mercados, onde a concorrência ainda não é líder”. As atenções, num futuro próximo, vão centrar-se no Brasil e na América Latina. “O Brasil tem um potencial imenso”, defendeu o co-fundador da plataforma. “Hoje, em Portugal, temos um potencial de angariação de 300 agências. No Brasil, são 10.000”.

Até ao momento, o capital angariado pelo Swonkie situa-se acima dos 500 mil euros. “Temos um financiamento do PT2020 para a internacionalização”, explicou Cortinhas. Antes, o Swonkie marcou presença no programa Shark Tank Portugal, no qual a plataforma de gestão de redes sociais conseguiu convencer o tubarão Miguel Ribeiro Ferreira a investir 50.000 euros. Em cima da mesa está mais uma ronda de financiamento, mas Cortinhas, para não “ferir susceptibilidades”, mantém o nome dos investidores guardado a sete chaves. “Mas posso garantir que todos os investidores têm cartas dadas em produtos B2B como o nosso”.

 

 

Recomendadas

Entregas ao domicílio da IKEA serão totalmente elétricas até 2025, diz CEO

A meta para 2030 é ser uma empresa positiva para o clima, isto é, reduzir mais gases de efeito estufa do que aqueles que são emitidos por toda a sua cadeia de valor.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Worten cria laboratório de logística no campus do Taguspark do Técnico

A parceria centra-se na área da gestão industrial e de logística, que ainda não tinha sido explorada pela rede de parceiros do Técnico e prevê o desenvolvimento de várias iniciativas conjuntas, entre as quais o laboratório de logística.
Comentários