Tancos: Militar do exército chamado a prestar declarações

A Polícia Judiciária deteve hoje oito pessoas e realizou dezenas de buscas na zona Centro e Sul do país no âmbito do caso Tancos, por suspeitas de crimes de associação criminosa, furto, detenção e tráfico armas.

Um militar no ativo foi chamado a prestar declarações perante a autoridade judiciária que acompanha o processo do furto de armas em Tancos, disse à Lusa fonte do Exército.

Segundo a porta-voz do Exército, major Elisabete Cruz, aquele ramo das forças armadas recebeu hoje um “mandado de comparência” para um militar no ativo “se apresentar junto de autoridade judiciária para ser inquirido” no inquérito que investiga as circunstâncias em que ocorreu o furto de material de guerra.

A Polícia Judiciária deteve hoje oito pessoas e realizou dezenas de buscas na zona Centro e Sul do país no âmbito do caso Tancos, por suspeitas de crimes de associação criminosa, furto, detenção e tráfico armas.

Em causa estão factos suscetíveis de integrarem crimes de associação criminosa, furto, detenção e tráfico de armas, terrorismo internacional e tráfico de estupefacientes.

Fonte da PJ disse à agência Lusa que os oito detidos são todos civis e que serão presentes na terça-feira a primeiro interrogatório judicial no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, no Campus de Justiça.

Na operação com o nome “Operação Húbris II” participaram três magistrados do Ministério Público e 85 investigadores e o inquérito corre termos no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

O furto do material militar, entre granadas, explosivos e munições, dos paióis de Tancos foi noticiado em 29 de junho de 2017.

O caso do furto de armas em Tancos ganhou importantes desenvolvimentos em 2018, tendo sido detidos sete militares da Polícia Judiciária Militar (PJM) e da GNR, suspeitos de terem forjado a recuperação do material em conivência com o presumível autor do roubo.

Entre os detidos está o ex-diretor da PJM e um civil (que já foi militar), principal suspeito da prática do furto, encontrando-se ambos em prisão preventiva, num caso que levou à demissão de Azeredo Lopes do cargo de ministro da Defesa e cujas implicações políticas levaram à criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito, que ainda não começou com as audições.

Em setembro, após a investigação do Ministério Público à recuperação do material furtado, designada “Operação Húbris”, que levou às detenções, foi anunciada pelo CDS a comissão de inquérito, aprovada apenas com a abstenção do PCP e do PEV.

A comissão de inquérito ao furto de material de militar de Tancos vai reunir-se duas vezes por semana e começa as audições às 63 personalidades em janeiro.

Relacionadas

Tancos: Marcelo quer “cabal apuramento de factos e responsabilidades”

Presidente da República “continua a insistir na importância do cabal apuramento de factos e responsabilidades, quer quanto ao desaparecimento, quer quanto ao reaparecimento do referido armamento”.

Tancos: PGR confirma oito detenções

Operação ”Húbris II” levou à detenção nesta segunda-feira, 17 de dezembro, de oito pessoas por suspeitas de crimes de associação criminosa, furto, detenção e tráfico armas.

Tancos: PJ deteve oito pessoas após buscas na zona centro e sul do país

Em causa estão factos suscetíveis de integrarem crimes de associação criminosa, furto, detenção e tráfico de armas, terrorismo internacional e tráfico de estupefacientes.
Recomendadas

Ministra da Defesa ouvida no parlamento dia 11 de outubro sobre ciberataque

A ministra da Defesa Nacional, Helena Carreiras, vai ser ouvida no parlamento no próximo dia 11 de outubro, à porta fechada, sobre o ciberataque que levou à exfiltração de documentos classificados da NATO, a requerimento do PSD.

PJ faz buscas em instalações do INEM

A Polícia Judiciária está a realizar buscas em diversas instalações do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), no âmbito de uma investigação relacionada com irregularidades na gestão de pessoal, confirmou à Lusa fonte policial.

BES/GES: Juiz adia diligências devido a requerimento que contesta substituição de Ivo Rosa

Segundo o despacho desta segunda-feira do juiz, a que a Lusa teve hoje acesso, o adiamento é justificado pelo tempo necessário para as partes se pronunciarem sobre este documento, no qual é contestado o processo de substituição do juiz de instrução Ivo Rosa pelo Conselho Superior da Magistratura.
Comentários