TAP é companhia aérea com mais reclamações pelo quarto ano consecutivo

O número de queixas relativas à companhia aérea nacional, que pode ser reprivatizada até 2023, está a subir desde 2019.

O número de reclamações dirigidas a Companhias Aéreas aumentou 18% este ano, face a 2021, revela o Portal da Queixa. A TAP continua a ser a transportadora que absorve mais queixas, concentrando 44% do total registado, pelo quarto ano consecutivo. Também no pódio está a Ryanair (18% das reclamações) e Easyjet (10%).

Ainda no top 5, segue-se a Vueling com 65 queixas (5%) e a Iberia com 46, a pesar 3% no total do sector.

“Os principais motivos de reclamação reportados pelos consumidores estão relacionados com o cancelamento e reembolso de viagens (44%); dificuldades no atendimento ao cliente (27%); problemas com a bagagem (26%) e outras queixas (4%)”, indica o comunicado.

Entre os dias 1 de janeiro e 13 de setembro deste ano, os consumidores portugueses registaram 1.317 reclamações dirigidas às transportadoras, um aumento de 18% em relação ao período homólogo, onde se verificaram 1.118 queixas.

“A análise revela ainda que a TAP é a companhia aérea que mais reclamações recebe, posição liderada pela empresa nos últimos quatro anos, com o número de queixas a subir desde 2019, apesar dos dois anos de pandemia (2020-2021), a variação marcou-se crescente. Em 2019, ano de pré-pandemia, a transportadora recebeu, no mesmo período em análise, 395 reclamações, o que reflete um aumento na ordem dos 42%, comparativamente com 2022”, acrescenta  a nota.

O Portal da Queixa recorda que o Governo anunciou a intenção de avançar com a venda de mais de 50% da companhia ainda este ano, com o consórcio da AIr France/KLM e a companhia alemã Lufthansa como favoritas na corrida. “A operação poderá estar concluída nos primeiros meses de 2023”, anota.

Recomendadas

Tribunal de Contas não afasta cenário de novas injeções de capital no Novobanco

O juiz conselheiro relator do relatório da auditoria do Tribunal de Contas à gestão do Novobanco, José Quelhas, referiu hoje que não está afastado o cenário de novas injeções de dinheiro público no ex-BES.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.

Capgemini Portugal estima que receitas cresçam 16% em 2022 e tem 600 vagas de trabalho por preencher

A consultora tecnológica revelou ainda que está prestes a lançar o quarto laboratório de investigação no país, que será dedicado à cibersegurança da computação quântica e para a qual estão alocados cinco doutorados.
Comentários