Theresa May decapitada na capa do jornal Charlie Hebdo

A imagem mostra a primeira-ministra a segurar a própria cabeça debaixo do braço, com uma legenda que diz “demais é demais”.

Na capa da última edição do jornal satírico francês Charlie Hebdo, publicada esta quinta-feira, está uma representação de Theresa May decapitada, sob o título “Multiculturalismo à inglesa”.

A imagem mostra a primeira-ministra a segurar a própria cabeça debaixo do braço, com um balão de fala que diz “demais é demais”.

A mesma edição inclui, também, uma segunda ilustração de várias pessoas a fugir do Daesh, junto ao Big Ben com a descrição “Dicas de emagrecimento do DAESH – corram rápido”.

Este último desenho retrata os ataques terroristas que o Reino Unido tem sofrido nos últimos tempos, onde foram totalizadas 30 mortes em Inglaterra, 22 em Manchester e oito em Londres.

As ilustrações geraram muitas críticas e indignação por parte dos internautas. “Lembro-me de apoiar o Charlie Hebdo depois do seu ataque só para ser gozado por eles depois do nosso”, escreveu um londrino nas redes sociais.

https://twitter.com/LiamC0nnell/status/872773363017674753

Recorde-se que há pouco mais de dois anos, o jornal francês sofreu um ataque terrorista, onde foram contabilizadas 12 mortes. Na origem do atentado, está a publicação de uma ilustração do profeta Maomé, ato proibido na religião islâmica.

Recomendadas

Maus resultados eleitorais levam à demissão dos chefes de gabinete de Theresa May

Fiona Hill e Nick Timothy eram conselheiros de Theresa May desde que esta assumiu a pasta do Ministério do Interior, entre 2010 e 2016.

Corbyn falha ‘high five’ com colega de partido e anima redes sociais

A peripécia com o ‘pouco’ derrotado da noite de ontem, o líder do Partido Trabalhista, está a ser um dos sucessos do pós-votação.

Brexit: Europa está “unida, coesa e preparada” para as negociações com Reino Unido

Marcelo Rebelo de Sousa recusou-se a comentar os resultados eleitorais do Reino Unido e o ministro dos Negócios Estrangeiros português assegura que a União Europeia vai “negociar as condições da saída com o Reino Unido (…) com toda a boa-fé”.
Comentários