Trump ‘limpa’ Senado e Câmara dos Representantes

Democratas conseguiram melhores resultados que aqueles que tinham, mas não foram suficientes. Senado e presidência estão agora alinhados, o que já não acontecia desde 2014.

Mike Segar/Reuters

As últimas sondagens davam uma vitória dos Republicanos no Senado norte-americano, o que fazia prever uma vida difícil para o próximo presidente – que, tal como sucedeu a Barack Obama desde 2014, teria que rodear o bloqueio daquela estrutura contra as suas políticas. Afinal, a votação veio desmentir as sondagens: os republicanos ganharam o Senado, como estava previsto, mas também ganharam a presidência da república – pelo que não se confirma a existência de qualquer bloqueio entre as duas partes.

Os republicanos conseguiram 51 lugares, contra apenas 47 dos democratas. A diferença atenuou-se – no elenco anterior, o ‘gap’ era de dez lugares – mas o certo é que os republicanos mantêm uma maioria que serviu, nos últimos dois anos, para bloquear parte das decisões políticas que o presidente Obama entendia querer tomar. Uma delas, talvez a mais mediática, teve a ver com o apertar do controlo da venda livre de armas no país; o Senado nunca esteve de acordo com esse controlo – pesem embora os massacres que sazonalmente vão ensombrado as notícias vindas da América profunda – e as leis democratas nunca chegaram a tomar forma. Agora, e pelo menos nessa matéria, deixou de haver um problema: o novo presidente e a maioria republicana naquela câmara estão alinhados.

A candidatura de Trump também ganhou a Câmara dos Representantes, com uma clara maioria de 236 representantes, contra 191 da democrata Hilary Clinton. Os 435 lugares desta câmara ‘baixa’ ainda não estão todos preenchidos – pelo menos, os ‘media’ norte-americanos ainda não têm essa informação – mas a candidatura de Trump já conseguiu mais de metade dos lugares, mais precisamente 236. Hilary volta a ficar em segundo lugar, com 191. Previsivelmente, na Câmara dos Representantes, sucede o mesmo que no Senado: os democratas conseguem aproximar-se dos republicanos, mas continuam a ser a segundo força do país.

Recomendadas

EUA. Republicanos influenciarão política para a América Latina, diz analista

“O estado da Florida é um bastião Republicano com influência na política externa dos EUA na América Latina. E a vitória de DeSantis que garantiu a sua reeleição como governador, vai fazer eco na Casa Branca, especialmente nas relações com países como Cuba ou Venezuela”, argumentou Briscoe durante uma conferência virtual do International Crisis Group.

Marcelo avisa que “é preciso manter a democracia viva e repensá-la constantemente”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu hoje que “é preciso manter a democracia viva e repensá-la constantemente” para evitar o aparecimento de respostas “fora do sistema e quase à margem”.

PR espera “evolução positiva” no sentido da paz e estabilização em São Tomé e Príncipe

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou hoje preocupação face à tentativa de golpe de Estado que aconteceu em São Tomé e Príncipe, mostrando-se esperançado numa “evolução positiva” no sentido da paz.
Comentários