Trump: “Não parece que estou a ser alvo de um ‘impeachment'”

“O país está a ir melhor que nunca. Não fizemos nada de errado. E temos um grande apoio no partido Republicano, como nunca tivemos antes”, continuou Trump no seu discurso. 

Após a votação na Câmara dos Representantes sobre o processo de impeachment (destituição), que acabou com um resultado negativo para Donald Trump, o presidente norte-americano reagiu ao facto de ser o terceiro presidente da História dos EUA a ser alvo de um processo de destituição.

No início de um comício no estado do Michigan, Trump assumiu que “não parece que estamos a ser alvo de um impeachment”, antes da consideração do voto histórico que aconteceu em Washington por parte da Câmara dos Representantes (democratas) e de Nancy Pelosi.

“O país está a ir melhor que nunca. Não fizemos nada de errado. E temos um grande apoio no partido Republicano, como nunca tivemos antes”, continuou no seu discurso.

Enquanto Donald Trump discursava, os legisladores dos Representantes concluíam a reunião de oito horas, onde foram debatidos dois artigos relativamente ao impeachment, provando mais uma vez a divisão política que tem marcado o país durante o mandato presidencial do antigo empresário e detentor da Trump Tower.

No primeiro artigo votado, com 230-197 em favor da aprovação, Donald Trump foi acusado de abuso de poder. O segundo artigo, também votado com a aprovação de 229 deputados contra 198 contra, Trump foi acusado de obstrução do Congresso norte-americano. Agora, Donald Trump vai enfrentar um julgamento no Senado norte-americano, controlado pelos republicanos, onde é esperado que o presidente seja absolvido.

Ainda assim, a provocação ao processo de destituição começou antes do comício ter início, com o vice-presidente Mike Pence. O braço direito de Trump afirmou à multidão que o partido democrata estava a avançar com um processo de destituição porque sabe que não o conseguem vencer nas eleições de 2020.

Recomendadas

Guterres condena “veementemente” golpe de Estado no Burkina Faso

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou este sábado “veementemente”, num comunicado, “qualquer tentativa de tomada do poder pela força das armas” no Burkina Faso, um dia após um novo golpe de Estado no país, o segundo em oito meses.

Manifestantes denunciaram repressão violenta sobre ativistas no Irão

Milhares de manifestantes em várias universidades iranianas e em vários países protestaram este sábado contra a repressão sobre movimentos de protesto pela morte de Mahsa Amini, a jovem acusada de violar o código de indumentária da República Islâmica.

Bolsonaro agradece apoio de líderes europeus de extrema-direita, entre eles André Ventura

O presidente Jair Bolsonaro, que pretende ser reeleito no domingo, agradeceu este sábado as mensagens de apoio que recebeu de líderes da extrema-direita da Europa, como o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, ou o líder do Chega, André Ventura.
Comentários