Trump reúne-se com os serviços secretos sobre a Rússia

Em causa estão as desconfianças sobre a intervenção do país no resultado das eleições presidenciais e as consequentes sanções impostas por Obama. Prevê-se resposta de Moscovo ainda hoje.

Jonathan Ernst / Reuters

Na próximas semana, o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, vai reunir-se com os serviços secretos norte-americanos para discutir a alegada intervenção da Rússia nas últimas eleições presidenciais e no ataque informático aos emails do Partido Democrata.

“É tempo de o nosso país avançar para coisas maiores e melhores. Pelo interesse no nosso país e nas suas grandes pessoas, vou reunir-me com os líderes dos serviços secretos na próxima semana para estar a par dos factos sobre esta situação”, explicou Trump num comunicado citado pela “Bloomberg”.

O magnata tem-se mostrado cético em relação à hipótese de Moscovo ter interferido de alguma forma no resultado da última ida às urnas nos EUA. O mesmo não se pode dizer de Barack Obama, que impôs sanções ao país liderado por Vladimir Putin, como a expulsão de 35 diplomatas russos de Washington, anunciada ontem.

À “Fox News”, no mesmo dia, o chefe de gabinete do presidente eleito, Reince Priebus, afirmou: “Neste momento, nós simplesmente não estamos em posição de nos sentarmos aqui e respondermos a todos esses detalhes privados antes de termos o resultado final do relatório”.

Em relação às ações do Governo americano sobre os diplomatas, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, adiantou que a resposta de Moscovo vai ser apresentada esta sexta-feira. Um porta-voz do presidente Vladimir Putin referiu ainda que a reação do Kremlin vai causar “desconforto significativo” aos EUA.

Recentemente, a CIA concluiu que a Rússia interveio nas eleições presidenciais norte-americanas para ajudar Donald Trump a vencer a corrida à Casa Branca. Os serviços secretos dos EUA perceberam que, à medida que a campanha presidencial de 2016 se aproximava do fim, funcionários do Governo russo dedicavam cada vez mais atenção ao sucessor de Obama, de acordo com o que avançou a agência Reuters.

Relacionadas

CIA acusa Rússia de intervir na eleição de Donald Trump

À medida que a campanha presidencial se aproximava do fim, funcionários do governo russo dedicaram cada vez mais atenção ao esforço de Donald Trump para ganhar a eleição.

Obama promete resposta aos ataques informáticos feitos pela Rússia durante as presidenciais

Ataque de pirataria russo teve como finalidade beneficiar Donald Trump durante a corrida à Casa Branca.
Recomendadas

Brasil gerou dois milhões de empregos no ano passado, menos do que em 2021

O Brasil, a maior economia da América Latina, gerou 2.037.982 empregos formais em 2022, 26,6% menos do que os criados em 2021, disse esta terça-feira o governo.

Turquia diz que é “atualmente impossível” a entrada da Suécia na NATO

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Turquia referiu que neste momento o seu país não pode aceitar a adesão da Suécia à NATO. E não deu qualquer indicação de que Ancara tenha em vista voltar à mesa das negociações.

Tribunal espanhol determina que UEFA fica impedida de evitar Superliga

Competição que iria reunir algumas das melhores equipas do futebol europeu e mundial fica mais perto de se poder realizar. A UEFA terá feito uso da “posição de poder” para tentar impedir a realização da prova.
Comentários