Tunísia resgata 81 migrantes que partiram da Líbia num barco improvisado

A marinha da Tunísia anunciou hoje ter resgatado 81 migrantes, entre os quais uma mulher, que partiram da costa Líbia a bordo de um barco improvisado e com condições precárias.

Refugees crossing the Mediterranean sea on a boat, heading from Turkish coast to the northeastern Greek island of Lesbos, 29 January 2016.

Entre os 81 migrantes – 80 homens e apenas uma mulher – que tentavam cruzar o Mar Mediterrâneo de forma ilegal, “38 são do Egito, 32 do Bangladesh, 10 do Sudão e um de Marrocos”, referiu a Marinha.

O barco, que estava danificado, foi intercetado quando estava a cerca de seis quilómetros da costa nordeste da Tunísia.

Segundo os depoimentos dos migrantes, que disseram ter entre 20 e 38 anos, o barco partiu na noite de 13 para 14 de maio, da aldeia de Abu Kammash, no extremo oeste da Líbia, muito perto da fronteira com a Tunísia.

Depois de intercetados, foram levados de volta ao Porto de El Ktef, perto de Ben Guerdane, não muito longe da fronteira com a Líbia, para serem ouvidos pelas autoridades.

No início de maio, as autoridades tunisinas anunciaram ter encontrado os corpos de 24 migrantes que se afogaram, após o naufrágio da embarcação onde seguiam na costa do centro-leste da Tunísia.

Recomendadas

Síria: Rússia propõe manter por seis meses envio de ajuda humanitária a zona rebelde

A Rússia propôs emendas a um projeto de resolução apresentado pela Irlanda e Noruega e reduziu o período para as entregas. Apelou ainda para o aumento dos esforços que garantam entregas de ajuda humanitária “completas, seguras e sem restrições” ao longo das linhas de conflito na Síria, indicou a agência noticiosa Associated Press (AP).

EUA: Taxas de juros mais restritivas podem ser necessárias para conter a inflação

No entanto, consideraram que tais medidas são necessárias para desacelerar os aumentos de preços com vista à meta anual de 2%.

França vai assumir 100% do controle da empresa de energia EDF

A decisão, anunciada em sessão no Parlamento, acontece num momento em que as tarifas de eletricidade não páram de subir, situação agravada com a guerra na Ucrânia. O Estado retira assim de bolsa a EDF.
Comentários