Turismo volta a crescer e já representa 13,7% do PIB nacional

Este resultado evidencia um crescimento de 14,5% face a 2016, ano em que o consumo turístico em Portugal valia 12,5% do PIB.

David W Cerny/Reuters

O peso do turismo na economia nacional continua a aumentar de forma consistente. De acordo com a Conta Satélite do Turismo, divulgada esta manhã pelo INE – Instituto Nacional de Estatística, o consumo do turismo no território português atingiu, em 2017, a marca de 13,7% do PIB – Produto Interno Bruto, o que corresponde a 26,7 mil milhões de euros.

“Este resultado evidencia um crescimento de 14,5% face a 2016, ano em que o consumo turístico em Portugal valia 12,5% do PIB. Desde 2014, aliás, o crescimento anual deste indicador foi de 0,3 pontos, pelo que o registo do ano passado (+1,2 pontos, quatro vezes mais) se torna ainda mais significativo”, destaca um comunicado da Secretaria de Estado do Turismo.

Em paralelo, o peso dos turistas estrangeiros no consumo turístico no território subiu de 61,2% em 2014 para 63,1% no ano passado.

Também o Valor Acrescentado Bruto (VAB) gerado pelo turismo registou uma subida expressiva, passando de 6,9% em 2016 para 7,5% no ano passado.

“Por outro lado, o emprego no turismo também continua a crescer de forma sustentada, acompanhando o dinamismo desta atividade ao longo de todo o ano. De acordo com o INE, em 2016 o emprego no turismo aumentou 4,8%, para um total de 417 mil vínculos a tempo completo, o que representou nesse ano 9,4% do emprego nacional. E em 2016, as remunerações do turismo cresceram 7,6%, mais do que em 2015 (5,7%)”, assinala o referido comunicado.

O documento acrescenta ainda que “Portugal está entre os países europeus com maior peso do consumo turístico, com maior VAB do turismo e com mais postos de trabalho no turismo”.

Para a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, estes dados evidenciam “a  importância do turismo na economia nacional”.

“Nos últimos anos, o turismo tem evidenciado um forte crescimento, mas ao mesmo tempo um crescimento sustentável, aumentando mais em valor do que em volume de turistas e diminuindo o índice de sazonalidade, o que se tem refletido na criação de postos de trabalho e manutenção de emprego ao longo do ano”, defende Ana Mendes Godinho.

A secretária de Estado do Turismo acrescenta :”tenho percorrido o país de norte a sul e tenho testemunhado como o dinamismo do turismo também tem funcionado como mobilizador territorial”.

“Estes resultados são muito bons mas não podemos baixar os braços; temos de continuar a trabalhar, com ainda mais motivação”, alerta a secretária de Estado do Turismo.

 

 

Relacionadas

Turismo no interior vai receber reforço de investimento de 10 milhões

“A Linha de Apoio à Valorização Turística do Interior, criada em 2017, tem sido um instrumento fundamental para dinamizar a procura turística nos territórios de baixa densidade”, explica a Secretaria de Estado do Turismo.

“Globalização, demografia e tecnologia”: O que vai mudar no turismo mundial nos próximos anos?

Segundo a consultora EY, na era digital e da economia de partilha o turismo está próximo de uma alteração profunda dos seus pressupostos. As alterações vão todas no sentido de individualizar as experiências – desde que haja um smartphone por perto.
Recomendadas

Premium“A operação da TAP é estratégica para o Brasil”, diz presidente da Embratur

Portugal é um “país-chave para a entrada de europeus no Brasil e de brasileiros na Europa”, diz Silvio Nascimento, que espera que a TAP possa não só manter como aumentar o número de rotas, mesmo após o processo de reestruturação.

Empresa do ministro das Infraestruturas e da Habitação e do seu pai fez contrato com o Estado

 Segundo o jornal ‘online’ Observador, o contrato com o Estado feito pela Tecmacal “constitui uma incompatibilidade de acordo com a lei que estabelece o regime do exercício de funções por titulares de cargos políticos e altos cargos públicos”.

Sindicatos avançam com proposta de greve nos CTT a 31 de outubro e 2 de novembro

Os sindicatos que representam os trabalhadores dos CTT avançaram com uma proposta de greve nos dias 31 de outubro e 2 de novembro, em protesto pelos “7,50 euros de aumento imposto” pelo grupo aos funcionários, segundo um comunicado.
Comentários