Turquia. Pena de morte pode ser restituída após incêndios florestais

A pena capital foi eliminada da constituição em 2004, nos primeiros anos do governo de Erdogan, que agora iniciou trabalhos no sentido inverso na sequência do primeiro grande incêndio do ano.

Recep Tayyip Erdoğan, presidente Turquia

A Turquia está a reconsiderar restituir a pena capital, adiantou o ministro da Justiça, Bekir Bozdag, depois de o presidente Tayyip Erdogan ter dito que a condenação por queimar florestas deveria ser “intimidante, e se isso significar pena de morte, então será”.

Segundo a “Reuters”, o comentário de Erdogan surgiu na sequência de um alegado fogo posto ter destruído 4.500 hectares de floresta na costa do Mar Egeu esta semana. O suspeito detido admitiu causar o incêndio que foi entretanto dominado, informaram as autoridades.

A pena capital foi eliminada da constituição em 2004, nos primeiros anos do governo de Erdogan e, Bozdag, disse hoje que os comentários do presidente “são instruções”. “Começamos a trabalhar nisso como ministério”, disse Bozdag, acrescentando que a pena atual por fogo posto é de 10 anos de prisão, mas que pode vir a aumentar para prisão perpétua se fizer parte do crime organizado.

O primeiro grande incêndio do verão na Turquia começou na terça-feira e fez temer por um ano ainda pior do que 2021, quando se perderam 140 mil hectares de campo, naqueles que foram os piores fogos já registados.

Recomendadas

Revista de imprensa internacional: as notícias que estão a marcar a atualidade global

Guterres encontra-se em Lviv com Zelensky e Erdoğan; Pelo menos 21 mortos em explosão na mesquita de Cabul; Agência Internacional de Energia vai liderar delegação na central nuclear de Zaporizhzhia

Senadora republicana Lisa Murkowski crítica de Trump vence primárias no Alasca

Segundo as projeções dos principais meios dos EUA, Murkowski venceu as eleições, derrotando uma vintena de concorrentes, entre os quais uma candidata apoiada por Trump, a também republicana Kelly Tshibaka.

EUA iniciam negociações para acordo comercial com Taiwan em nova demonstração de apoio

O anúncio ocorre depois de Pequim ter realizado exercícios militares em torno de Taiwan, incluindo fogo real e lançamento de mísseis, na sequência da visita a Taipé da líder do Congresso dos Estados Unidos, Nancy Pelosi.
Comentários