Uber reagiu à decisão da Justiça europeia: “Não vai mudar as coisas na maioria dos paises da UE”

Em comunicado, a empresa liderada por Dara Khosrowshahi dá a entender que nos paises da UE onde já atua, a empresa não vai alterar nada.

No mesmo dia que o Tribunal de Justiça da União Europeia desta quarta-feira decidiu que a Uber é uma empresa de transportes e que deverá cumprir com a legislação do setor nos paises da União Europeia (UE), a empresa norte-americana já fez saber que a “decisão não vai mudar as coisas”.

Em comunicado, citado pela Reuters, a empresa liderada por Dara Khosrowshahi dá a entender que nos paises da UE onde já atua não muda nada, acrescentando que “ainda há milhões de europeus que não podem utilizar a aplicação” móvel da empresa.

No mesmo comunicado, é dito que a Uber defende uma “regulação devida” para continuar a operar na Europa.

O Tribunal de Justiça da União Europeia, em Bruxelas, considerou esta quarta-feira que o serviço de intermediação (Uber) é parte integrante de um serviço global cujo o elemento principal é um serviço de transporte e que, por isso, não corresponde à qualificação de “serviço da sociedade da informação”, mas sim a um “serviço no âmbito dos transportes”, refere um comunicado do TJUE. Em consequência, cabe aos “Estados membros (UE) regularem as condições de prestação destes serviços sempre que se respeitem as normas gerais do Tratado de Funcionamento da União Europeia”.

 

Relacionadas

Justiça europeia considera Uber uma empresa de transportes

O Tribunal de Justiça da União Europeia decidiu esta quarta-feira que a Uber é uma empresa de transportes, e não uma empresa digital, que tem de cumprir a legislação em vigor no setor.
Recomendadas

Sonaecom rasga acordo com Isabel dos Santos

“À Sonae passa a ser imputada uma participação na NOS de cerca de 36,8% do capital social e dos direitos de voto nessa sociedade”, detalha a empresa liderada por Cláudia Azevedo.

Toyota Caetano Portugal com lucros de 7,3 milhões no semestre

Em comunicado à CMVM, a Toyota Caetano Portugal diz que os resultados líquidos consolidados ascenderam a 7,3 milhões de euros, o que compara com 11,7 milhões em dezembro de 2021 e com 2,98 milhões em junho de 2021.

Fintech holandesa lança serviços financeiros para PME com Mollie Capital

As fintechs financeiras estão a olhar para pequenas e médias empresas em Portugal. Depois da Rauva, vem agora a Mollie Capital anunciar-se como “o primeiro fornecedor de serviços financeiros para PME”.
Comentários