Ucrânia é a favorita para ganhar a Eurovisão

As principais casas de apostas notam que, caso os ucranianos ganhem a Eurovisão, esta será uma vitória carregada de solidariedade e simbolismo político devido à invasão russa da Ucrânia

“Stefania” sobe esta noite ao palco da Eurovisão instalado em Turim e está a ganhar as apostas para a vitória de 2022. Os ucranianos Kalush Orchestra, a banda em representação da Ucrânia, está a liderar os favoritos para ganhar o festival europeu, com um total de 51% das preferências.

As principais casas de apostas notam que, caso os ucranianos ganhem a Eurovisão, esta será uma vitória carregada de solidariedade e simbolismo político devido à invasão russa da Ucrânia. A canção “Stefania” está também a ser vista como um símbolo da resistência ucraniana à Rússia apesar de ter sido escrita antes do conflito armado.

“Sentimos uma grande responsabilidade porque o nosso país deu-nos uma autorização especial para estarmos aqui. Queremos ser o mais úteis possíveis para a Ucrânia. Representar o nosso país é sempre importante, mas representar a Ucrânia num estado de guerra é a responsabilidade máxima”, apontou Oleg Psyuk, um dos representantes da banda em conferência de imprensa.

Num dos versos é possível ouvir “Eu sempre regressarei até ti/mesmo que as estradas estejam todas destruídas”, algo que pode evocar a guerra na atuação, ainda que a mesma tenha sido escrita antes.

Mas a atuação da banda tem ainda mais simbolismo: um dos membros dos Kalush Orchestra decidiu ficar na Ucrânia a combater e a defender a sua Pátria e, por isso, não irá atuar em Turim.

“Um dos membros da nossa banda ficou a lutar na guerra, está a defender Kiev enquanto estamos a representar a Ucrânia. Quando a Eurovisão acabar vamos voltar para o nosso país”, continuou Psiuk.

De relembrar que todos os homens entre os 18 e os 60 anos estão proibidos de abandonar o país por se encontrarem em idade para lutar contra o exército russo.

Recomendadas

Ucrânia: Alemanha cria ‘ponte ferroviária’ para as exportações de cereais

A Alemanha criou uma ‘ponte ferroviária’ com a Ucrânia para a ajudar a exportar os seus cereais, indicou uma fonte militar dos Estados Unidos.

Putin desvaloriza sanções e agradece saída de empresas estrangeiras do país

Putin classificou a invasão da Ucrânia como um ponto de viragem na história russa: uma revolta de Moscovo contra os Estados Unidos, que afirma ter humilhado a Rússia desde a queda da União Soviética em 1991.

É britânico, filho de veterano da Royal Air Force, mas agora dá voz a vídeos de propaganda russa

A justificação apresentada por Putin para a realização da “operação militar especial” no país vizinho – desnazificação da Ucrânia – é uma das mensagens presentes no vídeo insiste. “Hoje, na Ucrânia, os nazis e os seus lacaios nacionalistas fascistas são aclamados como heróis”, diz Grant.  
Comentários