Ucrânia: França, Alemanha, Itália e Roménia querem estatuto de candidato oficial “imediato” à UE

Os líderes francês, alemão, italiano e romeno querem que seja concedido à Ucrânia o estatuto de candidato oficial “imediato” à adesão à União Europeia (UE), foi hoje anunciado.

A posição foi anunciada hoje após um encontro, em Kiev, dos quatros líderes com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

“Apoiamos os quatros o estatuto de candidato imediato à adesão”, disse hoje o presidente francês, Emmanuel Macron, em conferência de imprensa, acrescentando que “este estatuto será acompanhado por um guia e irá ter em conta a situação nos Balcãs e na vizinhança, em particular na Moldávia”.

Também o primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, afirmou que o seu país “quer a Ucrânia na União Europeia”.

“Hoje, a mensagem mais importante da nossa visita é que Itália quer a Ucrânia na União Europeia”, disse.

Na mesma linha, o chanceler alemão, Olaf Scholz, afirmou que “a Alemanha apoia uma decisão positiva a favor da Ucrânia”, assim como à Moldávia.

“A Ucrânia pertence à família europeia”, acrescentou.

Recomendadas

Zelenskiy alerta membros da NATO que Moscovo procura “nova ordem mundial”

“Esta não é uma guerra travada pela Rússia apenas contra a Ucrânia. Esta é uma guerra pelo direito de ditar as condições na Europa e como será a futura ordem mundial”, afirmou Zelenskiy num discurso por videoconferência durante a cimeira da NATO em Madrid.

PM britânico diz que invasão da Ucrânia é exemplo de “masculinidade tóxica” de Putin (com áudio)

Durante a cimeira da NATO em Madrid, marcada pela guerra na Ucrânia, Johnson garantiu que a Rússia não teria iniciado o conflito caso estivesse uma mulher no lugar de Putin à frente do Kremlin. 

Revista de imprensa internacional: as notícias que estão a marcar a atualidade global

Turquia levanta veto à adesão da Finlândia e da Suécia à NATO; Stoltenberg espera que Suécia e Finlândia se tornem membros da NATO rapidamente; Independência da Escócia: 19 de outubro de 2023 proposto como data para novo referendo
Comentários