Ucrânia: ONU afirma que algumas das ações da Rússia em Bucha podem constituir crimes de guerra

“Durante uma missão a Bucha em 9 de abril, investigadores dos direitos humanos da ONU documentaram o assassínio, incluindo execuções sumárias, de cerca de 50 civis”, disse Ravina Shamdasani, porta-voz do Alto Comissariado para os Direitos Humanos, durante uma conferência de imprensa em Genebra.

A ONU documentou “assassínios, incluindo por execução sumária” de 50 civis em Bucha, nos arredores de Kiev, sublinhando que as ações da Rússia na Ucrânia podem “constituir crimes de guerra”, disse hoje uma porta-voz da organização.

“Durante uma missão a Bucha em 9 de abril, investigadores dos direitos humanos da ONU documentaram o assassínio, incluindo execuções sumárias, de cerca de 50 civis”, disse Ravina Shamdasani, porta-voz do Alto Comissariado para os Direitos Humanos, durante uma conferência de imprensa em Genebra.

De acordo com a porta-voz, “as forças armadas russas bombardearam indiscriminadamente e pilharam áreas povoadas, mataram civis e destruíram hospitais, escolas e outras infraestruturas civis, todas ações que podem constituir crimes de guerra”.

“Durante as últimas oito semanas, o direito internacional humanitário não foi apenas ignorado, foi simplesmente ‘lançado borda fora’”, disse hoje Michelle Bachelet, Alta-Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, num comunicado.

“O que vimos em Kramatorsk, na área controlada pelo Governo em 8 de abril, quando munições de fragmentação atingiram uma estação de comboio, matando 60 civis e ferindo outros 111, é emblemático do incumprimento do princípio da distinção (entre civis e soldados), a proibição de realizar ataques indiscriminados e o princípio da precaução consagrado no Direito Internacional Humanitário”, adiantou Bachelet.

Ravina Shamdasani indicou que “compete a um tribunal determinar se esse é o caso”, mas sublinhou haver “cada vez mais evidências de que crimes de guerra estão a ser cometidos” na Ucrânia.

Embora, a porta-voz não tenha descartado que o lado ucraniano também tenha violado o direito humanitário em certas ocasiões, disse que “a grande maioria dessas violações, e de longe, são atribuíveis às forças russas”.

Ravina Shamdasani também indicou que 92,3% das vítimas registadas pelos serviços do Alto Comissariado “são atribuíveis às forças russas, assim como as alegações de assassínio e execuções sumárias”.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de dois mil civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou já a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, mais de cinco milhões das quais para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU – a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Recomendadas

Severodonetsk “totalmente ocupada” pela Rússia, segundo autarca

A cidade de Severodonetsk, no leste da Ucrânia, está “totalmente ocupada” pelas forças russas após semanas de combates intensos, segundo informações do presidente da câmara, Oleksandr Stryuk.

Condenação do estatuto de candidato à UE revela fraqueza do Kremlin

O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano afirmou este sábado que a condenação do Kremlin de uma “garra geopolítica” dirigida à Rússia, na sequência da atribuição à Ucrânia e à Moldova de estatuto de candidato à UE “mostra a sua fraqueza”.

Ucrânia. Exército acusa Bielorrússia de bombardear a região fronteiriça de Chernigiv

A Bielorrússia, aliado diplomático de Moscovo, bombardeou a região fronteiriça de Chernigiv, na Ucrânia, a nordeste de Kiev, disse este sábado o Exército ucraniano, acrescentando que o ataque não causou vítimas e afetou uma infraestrutura.
Comentários