Ucrânia: Stoltenberg fala com Blinken, Borrell e OSCE sobre concentração militar russa

Na semana passada, a Rússia participou em diversas reuniões bilaterais com os Estados Unidos, a NATO e a OSCE para explicar o reforço militar que tem levado a cabo junto à fronteira com a Ucrânia.

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, debateu hoje com o secretário de Estado norte-americano, o chefe da diplomacia europeia e a Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa a concentração militar russa junto à Ucrânia.

“Bom telefonema de coordenação com [Antony] Blinken, a presidência polaca da OSCE e [Josep] Borrell sobre a concentração militar da Rússia na e em volta da Ucrânia e as implicações para a segurança europeia”, escreveu Stoltenberg na rede social Twitter.

A conversa representou “um forte sinal de unidade neste momento crítico”, acrescentou o responsável da Aliança Atlântica.

Hoje mesmo, Stoltenberg manifestou o “forte apoio” da NATO à Ucrânia durante uma conversa telefónica com o Presidente daquele país, Volodymyr Zelenski, e assegurou que não comprometerá perante a Rússia “princípios fundamentais”.

Na semana passada, a Rússia participou em diversas reuniões bilaterais com os Estados Unidos, a NATO e a OSCE para explicar o reforço militar que tem levado a cabo junto à fronteira com a Ucrânia.

Moscovo pediu à Aliança Atlântica que desista de qualquer pretensão de continuar a expandir-se perto das suas fronteiras, ao passo que a Aliança deixou claro que esse é um princípio básico para a organização ao qual não vai renunciar.

Após um encontro com o chanceler alemão, Olaf Scholz, Stoltenberg anunciou na terça-feira o envio de convites a representantes da Rússia e dos países aliados para manter reuniões que sirvam para “melhorar as vias de comunicação”.

A NATO insistiu que qualquer nova agressão militar da Rússia à Ucrânia terá um “preço elevado” para Moscovo.

Recomendadas

Israel abateu três drones do Hezbollah no Mediterrâneo

O exército israelita afirmou hoje que abateu três drones do grupo xiita libanês Hezbollah e que se dirigiam a um campo de gás no Mediterrâneo, numa área marítima disputada pelos dois países.

Manifestações pelo direito ao aborto reúnem milhares em França

Várias manifestações ocorreram hoje em França em defesa do direito ao aborto e para manifestar apoio às mulheres norte-americanas, depois da decisão, na semana passada, do Supremo Tribunal dos Estados Unidos, de revogar esse direito.

Marcelo parte para São Paulo ainda sem “comunicação por escrito” de Bolsonaro

O chefe de Estado português afirmou hoje, antes de partir do Rio de Janeiro para São Paulo, que continua sem receber nenhuma “comunicação por escrito” do Presidente do Brasil a cancelar o almoço de segunda-feira em Brasília.
Comentários