UGT diz que “empresas já podem suportar maiores esforços” e aumentar salário mínimo

O sindicato dos trabalhadores entende que a revisão salarial é “viável” e que, tendo em conta o quadro económico atual, é uma proposta “adequada e necessária”.

Cristina Bernardo

A União Geral de Trabalhadores (UGT) vai esta terça-feira levar à sede de concertação social a proposta de aumento do salário mínimo nacional dos atuais 557 para 585 euros, um valor cinco euros superior à proposta do Governo. A central sindical entende que a revisão salarial é “viável” e que, tendo em conta o quadro económico atual, é uma proposta “adequada e necessária”.

“Entendemos que o atual quadro económico permite que as empresas possam suportar maiores esforços e garantir uma subida nos salários dos trabalhadores”, sustenta o secretário-geral adjunto da UGT, Sérgio Monte, em declarações ao “Jornal Económico”.

“Trata-se de uma medida de ajustamento dos rendimentos dos trabalhadores que faz sentido tendo em conta as melhorias económicas a nível nacional”, acrescenta.

A UGT entende que a subida do salário mínimo deve ser comportada pela economia, sem que isso traga mais malefícios à economia. “Não queremos, de modo algum, que a proposta venha agravar os problemas de desemprego. Esta é uma proposta que achamos adequada tendo em conta a fase de crescimento em que o país se encontra”, afirma.

A proposta da UGT fica cinco euros acima do aumento previsto pelo Executivo de António Costa. Sérgio Monte explica que, apesar de a proposta do Governo ficar perto da que estão a apresentar, a central sindical “continua a acreditar que o parecer dos parceiros sociais é importante” e não poderia deixar de apresentar uma contraproposta, que entendem ser “viável”.

Em cima da mesa de discussão estará também a proposta apresentada pela Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), que pede um aumento do salário mínimo nacional para os 600 euros. “É uma proposta legítima, mas a UGT não se revê nessa reivindicação”, sustenta o secretário-geral adjunto da UGT.

Recomendadas

Vitor Ramalho confessa ter deixado o PS em 2012 em rutura com António Seguro

O ex-dirigente socialista lembra que a disponibilidade manifestada por António Costa para se candidatar a secretário-geral do PS só aconteceu depois, em 2014, após as eleições para o Parlamento Europeu.

Aeroporto: Jerónimo de Sousa acusa PS e PSD de adiarem decisão de localização

“PS e PSD estão a tentar entender-se para um novo adiamento da construção do novo aeroporto”, afirmou Jerónimo de Sousa aos jornalistas, à margem de uma visita a uma exploração agrícola na Lourinhã, no distrito de Lisboa.

PS salienta à FRELIMO “cumplicidade” entre portugueses e moçambicanos

Na mensagem que dirigiu ao congresso da FRELIMO, que decorre até quarta-feira, Carlos César transmite também uma saudação a esta força política moçambicana do secretário-geral do PS e primeiro-ministro português, António Costa.
Comentários