União Europeia aconselha Sérvia e Kosovo a pararem retórica incendiária

A União espera que na próxima reunião, marcada para 18 de agosto, os líderes da Sérvia e do Kosovo discutam todos os temas e desafios existentes e que parem de aumentar a tensão entre ambos.

A União Europeia expressou “grande preocupação” com o aumento da retórica inflamada entre autoridades do Kosovo e da Sérvia, especialmente as declarações relacionadas com a eventualidade de uma guerra nos Balcãs Ocidentais.

Na declaração assinada pelo representante da União para os Balcãs, é sublinhado que ambos os lados devem parar imediatamente “hostilidades mútuas e declarações perigosas” e assumirem as suas responsabilidades.

“Políticos de ambos os lados serão responsabilizados por qualquer escalada que leve ao aumento das tensões e, potencialmente, à violência na região”, alertou o comunicado da Enião Europeia divulgado este domingo.

Esta reação de Bruxelas ocorre depois de o primeiro-ministro do Kosovo, Albin Kurti, e o presidente da Sérvia, Aleksandar Vucic, se acusaram mutuamente de instigarem a violência na fronteira comum.

Na semana passada, o presidente sérvio afirmou que tinha informações sobre planos das autoridades do Kosovo, que estariam a “preparar a liquidação de sérvios” que vivem no norte do Kosovo.

Em resposta, o primeiro-ministro Kurti sublinhou que o Kosovo está comprometido com a paz e a estabilidade. Declarações sobre uma possível liquidação no Kosovo mostram, segundo Kurti, “pensamentos e imaginação” dos sérvios e rejeitou as alegações das autoridades de Belgrado.

Os dirigentes de Belgrado e Pristina intensificaram a sua retórica à medida que se aproxima o dia em que se reunirão no quadro do diálogo de Bruxelas. Depois de mais de um ano sem diálogo, Aleksandar Vucic e Aljbin Kurti reunirão na União para continuarem as negociações sobre a normalização das relações entre os dois países.

O bloco sublinha que todas as questões em aberto serão resolvidas através da plataforma Diálogo sobre a Normalização das Relações entre o Kosovo e a Sérvia com a mediação da União.

“Alcançar um acordo abrangente e juridicamente vinculativo sobre a plena normalização das relações no contexto do diálogo mediado pela União requer um clima propício ao restabelecimento da confiança, reconciliação e boas relações, em que os acordos anteriores sejam respeitados e plenamente implementados, e ações e declarações que não são compatíveis com o interesse geral e os objetivos estratégicos da região não têm lugar”, diz o comunicado.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários