Valor da renda média desceu 15,4% em setembro. Primeira quebra desde janeiro

Valor baixou dos 1.412 euros para os 1.194 euros. No entanto, e face ao mesmo mês de 2021, o valor das rendas apresentou um aumento de 18,7%.

Pela primeira vez desde janeiro o valor médio das rendas em Portugal registou uma descida ao verificar uma quebra de 15,4% no mês de setembro, face a agosto, caindo dos 1.412 euros para os 1.194 euros, segundo os dados do Barómetro do portal imobiliário “Imovirtual” divulgados esta quinta-feira, 29 de setembro.

Por outro lado, e em comparação com o período homólogo de 2021, o valor das rendas apresentou um aumento de 18,7%, quando a renda média se fixava então nos 1.006 euros, traduzindo-se numa subida de 180 euros.

Na análise por distritos, os principais destaques vão para Portalegre que verificou o maior crescimento do valor médio de renda em setembro (+12,9%), face a agosto, passando dos 341 euros para os 385 euros. Também Évora viu a renda média aumentar 3,5%, fixando-se agora nos 775 euros.

Em sentido contrário, encontram-se a Guarda (-33,5%), Castelo Branco (-30,3%) e Faro (-29,1%), com as rendas a fixarem-se agora, respetivamente, em 433 euros, 544 euros e 988 euros.

Ainda em relação ao mês de setembro, Portalegre (385 euros), Bragança (415 euros) e Guarda (433 euros) foram os distritos mais baratos para arrendar. Já Lisboa (1.719 euros), Porto (1.127 euros), Setúbal (1.080 euros) e a Região Autónoma da Madeira (1.055 euros) foram os mais caros.

Olhando para o período homólogo de 2021 as rendas ficaram mais caras em Setúbal, onde o valor aumentou 39,9% (de 772 euros para 1.080 euros). Seguem-se Viseu, com um aumento de 37,2%, e Lisboa (+35,1%), onde a renda subiu dos 1.272 euros para os 1.719 euros e Castelo Branco com um aumento de 34,7% face a 2021.

Em sentido inverso, Portalegre (-11,5%), Vila Real (-8,3%) e Bragança (-7,8%) foram os únicos distritos onde diminuiu o preço da renda em setembro, comparativamente ao mesmo mês de 2021.

Bragança foi a exceção na descida dos preços para venda

No que diz respeito ao segmento de venda de casa, o distrito com maior aumento em setembro, face a agosto, foi Castelo Branco (+5%), subindo dos 121.449 euros para os 127.543 euros, sendo Bragança o único a verificar uma descida (-31,2%), baixando dos 218.035 euros para os 149.947 euros.

Já os distritos da Guarda (106.921 euros) e Portalegre (114.850 euros) foram os mais baratos para comprar casa em setembro. Os mais caros foram Lisboa (642.488 euros), Faro (567.560 euros) e Região Autónoma da Madeira (464.665 euros).

Em comparação com o período homólogo de 2021, Bragança foi também o distrito com a maior quebra do preço médio de venda face a setembro de 2021 (-31,4%), quando se fixava em 218.576 euros.

Já os maiores aumentos verificaram-se na Região Autónoma da Madeira (+24,9%), que passou dos 371.970 euros para os 464.665 euros, e Setúbal (+23,2%), subindo dos 311.127 euros para os 383.417 euros, registando-se também subidas em Aveiro (+15,4%) e Faro (+14,9%).

Ricardo Feferbaum, diretor geral do Imovirtual, refere que “a descida do valor médio de arrendamento é uma adaptação e ajuste do mercado, que permanece dinâmico e com elevada procura, mas que pode estar a sentir mais dificuldades de sucesso com a diminuição do poder económico devido à inflação que também se sente em outras áreas”.

Contudo, o responsável alerta que “com o aumento das taxas de juro, é expectável que os senhorios acabem por ter de aumentar as rendas, para fazer face às suas prestações mensais aos bancos”.

Recomendadas

CBRE junta-se à APPC e à ADENE para reduzir o consumo de energia

“Os centros comerciais integrados no portefólio de gestão da CBRE estão já a reduzir o horário de funcionamento da iluminação decorativa e publicitária interior e exterior para efeitos de poupança de energia, a usufruir da luz natural dos edifícios e a regular a temperatura dos equipamentos de climatização interior”, revela a consultora.

PremiumPortugueses dominam em projeto de luxo em Cascais

Sandwoods conta com 39 villas com preços que atingem os 2,8 milhões de euros. Projeto deverá estar concluído em 2024, mas sector da construção civil enfrenta falta de mão-de-obra e demora no fornecimento de material.

PremiumFranceses investem até 45 milhões de euros no Barreiro

‘Ja-Ba’ (Jardim Barreiro) está a cargo da dupla de promotores Maxime Tellier e Renauld de L’Hermite, que está presente em Portugal desde o ano de 2014. “O nosso objetivo é muito claro. Fazer um projeto para os portugueses”, assumem.
Comentários