Venda de doces e salgados proibidos em hospitais em 2018

A medida de banir produtos prejudiciais à saúde do Serviço Nacional de Saúde junta-se ainda a disponibilização gratuita de água potável.

As cafetarias e bufetes dos hospitais e centros de saúde vão estar proibidos, a partir de 30 de junho de 2018, de vender alimentos salgados, pastéis, produtos de pastelaria, guloseimas e todos os refrigerantes, sejam “Light” ou não, escreve o “Jornal de Notícias” (JN) desta quinta-feira.

A medida de banir produtos prejudiciais à saúde do Serviço Nacional de Saúde (SNS) junta-se ainda a disponibilização gratuita de água potável.

A norma do Ministério da Saúde para os bares, cafetarias e buefetes do SNS surge no seguimento da proibição de venda de alimentos de alto teor de açúcar, sal e gordura em máquinas de venda automática. Por enquanto, as cantinas do SNS não serão afetadas por esta iniciativa.

De acordo com o JN, que teve cita um despacho publicado esta quinta-feira em Diário da República, os hospitais têm até 30 de junho de 2018 para rever contratos com os concessionários dos bares, cafetarias e bufetes e adaptá-los à legislação, desde que tal não implique o pagamento de indemnizações ou outras penalizações.

Relacionadas

Verdes questionam Governo: Porque ainda se vendem doces em máquinas nos hospitais?

Iniciativa de “Os Verdes” surge depois vários hospitais de Lisboa continuarem a dispensar alimentos com elevado teor de açúcar nas máquinas automáticas, após entrada em vigor, a 6 de março, do diploma que proíbe alimentos com excesso de calorias nas máquinas do SNS.

Máquinas de comida com muito sal e açúcar saem dos hospitais

O diploma entrou em vigor a 6 de setembro, mas as instituições tiveram seis meses para rever os contratos que tivessem em vigor de exploração de máquinas de venda automática.
Recomendadas

Governo decide não renovar estado de alerta em território nacional

O ministro da Saúde justifica a decisão com “o elevado nível de vacinação na população portuguesa”.

Associação alerta que acesso a medicamentos genéricos pode ficar comprometido

“Caso não sejam implementadas medidas urgentes para assegurar a sustentabilidade da cadeia de produção dos medicamentos genéricos e biossimilares, é o acesso dos cidadãos à saúde que está comprometido”, adiantou a presidente da APOGEN.

“Vamos ter um momento de viragem do que é o SNS”

Há uma espécie de CEO no Serviço Nacional de Saúde. Com problemas identificados e a evidência de que a envolvente só vai piorar, a Associação Comercial do Porto (ACP) quis deixar alguns conselhos a Fernando Araújo.
Comentários