Verdes condenam “massacre” na Quinta da Torre Bela e questionam ministro do Ambiente

Os Verdes classificam como “condenável, podendo mesmo ser apelidado de um verdadeiro massacre de veados e javalis” o que aconteceu na Quinta da Torre Bela. Assim, entre outras questões, perguntam ao Governo se teve o “ministério da Agricultura conhecimento da organização e ocorrência da referida montaria na Quinta da Torre Bela na Azambuja, quando e de que forma”.

A deputada do partido ecologista Os Verdes (PEV), Mariana Silva, entregou na Assembleia da República esta quarta-feira, 23 de dezembro, uma pergunta onde questiona o Governo através do Ministério do Ambiente e da Ação Climática sobre a morte de 540 animais na zona de caça turística da Quinta da Torre Bela.

Os Verdes classificam como “condenável, podendo mesmo ser apelidado de um verdadeiro massacre de veados e javalis” o que sucedeu na zona de caça turística da Quinta da Torre Bela.

“As notícias e imagens que vieram a público dando conta de uma massiva matança de ungulados na Zona de Caça Turística (ZCT) da Quinta da Torre Bela, no Concelho da Azambuja chocou a opinião pública, pela violência e exibicionismo do ato, pela ostentação das imagens e, sobretudo, pela sensação de impunidade associada ao ato e nítida ausência de uma autoridade monitorizadora e fiscalizadora da atividade cinegética”, apontam os ecologistas.

Tendo em conta o sucedido, Os Verdes perguntam ao Governo se “teve o ministério da Agricultura conhecimento da organização e ocorrência da referida montaria na Quinta da Torre Bela na Azambuja, quando e de que forma”.

Os ecologistas também pretendem saber se “a concessão da presente Zona de Caça Turística foi feita por que período” se “tem o ministério, ou o organismo responsável feito o acompanhamento e fiscalização da atividade cinegética nesta ZCT ao longo da sua concessão, e é feita a contabilidade do número de animais abatidos por ano nesta como nas restantes Zonas de Caça Turísticas”.

“No plano de ordenamento e exploração cinegética da Zona de Caça Turística da Quinta da Torre Bela não há um limite para o número de animais abatidos por caçador e por jornada de caça? E nas restantes Zonas de Caça Turística?”, perguntam Os Verdes.

“Como está a ser feito o censo anual das populações cinegéticas e que impacto tem tido a caça nestas populações?”, questionam os ecologistas pretendo ainda saber “que outros espaços no país têm condições para que aconteçam situações semelhantes sem o conhecimento público”.

Os Verdes consideram que “a caça e a sua prática são cada vez menos na nossa sociedade um assunto consensual. Este ato condenável, que agora veio a público gera a sensação de que facto o exercício da caça ocorre no nosso país sem o devido acompanhamento e monitorização”.

” Interessa saber se no plano de ordenamento e exploração cinegética da referida Zona de Caça consta a possibilidade de abater tantos animais e se a autoridade responsável, nomeadamente o ICNF, aprovou este plano”.

Relacionadas

PSD Azambuja apelida de limpeza matança de 540 animais no concelho para construção de central fotovoltaica

A concelhia do PSD na Azambuja alerta para o perigo do concelho se tornar inundado por estes projetos, alguns de dimensão “despropositada”, e faz saber que apresentará uma queixa formal à Procuradoria-Geral da República, ao Presidente da República e ao Presidente da Assembleia da República.

Ministro do Ambiente classifica caçada da Torre Bela de ato “vil” e “inaceitável”

O ministro do Ambiente referiu que o sucedido é “um crime ambiental”.  “Sem nenhuma pressão, este é o tempo de voltar a olhar para a lei da caça”, garantiu Matos Fernandes.

PAN requer audição com ministro do Ambiente sobre morte de mais de 500 animais na Azambuja

O PAN “já questionou o Governo, através do Ministério do Ambiente e Ação Climática, liderado por João Pedro Matos Fernandes, com vista a apurar o que levou à autorização desta montaria, numa zona de grande sensibilidade ecológica, envolta em polémica, para onde está, inclusivamente, prevista a instalação de uma central fotovoltaica com 775 hectares”.
Recomendadas

PAN defende aposta nos transportes públicos e revisão dos escalões de IRS

A porta-voz do PAN, Inês Sousa Real, defendeu, este domingo, na proposta de Orçamento do Estado para 2023 o Governo deve apostar nos transportes públicos e na revisão dos escalões de IRS, além da valorização da proteção animal. “É fundamental que no Orçamento do Estado se garanta uma maior aposta nos transportes públicos, a revisão […]

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

Cotrim de Figueiredo diz que a única certeza na TAP é a perda de dinheiro

O líder da IL comentava as declarações do primeiro-ministro, que disse, na quinta-feira, esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses.
Comentários