Vieira da Silva teve papel decisivo na entrada da Santa Casa no Montepio

O semanário “Expresso” consultou a ata de uma reunião extraordinária da direção da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, que aconteceu a 31 de março, onde se mostra que o ministro foi fundamental para o avanço do negócio, o qual via com “interesse e empenho”, de acordo com fontes do processo.

O ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social terá sido a principal figura por trás do acordo de entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no capital do Montepio Geral, conta o “Expresso” na edição deste sábado.

O semanário consultou a ata de uma reunião extraordinária da direção da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, que aconteceu a 31 de março, onde se mostra que José Vieira da Silva foi fundamental para o avanço do negócio, o qual via com “interesse e empenho”, de acordo com fontes do processo.

“Na última reunião havida com a tutela foi transmitida por Sua Excelência o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Dr. José Vieira da Silva, a intenção do Governo em que a da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa participe no processo de reestruturação do Montepio Geral”, refere o diploma, citado pela mesma publicação. Assim, a instituição social decidiu realizar “uma análise exaustiva deste processo, com recurso a especialistas na matéria”.

Segundo o “Expresso”, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, também terá incentivado Pedro Santana Lopes a seguir em frente com as negociações, mas acabou por concluir: “Não há estudo, não há auditoria, não há decisão”, indicam as mesmas fontes. Por outro lado, o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, terá dito a Pedro Santana Lopes que este era um acionista idóneo, porém, a Santa Casa teria de avaliar, tendo em conta o seu património, se era um bom negócio.

José António Vieira da Silva e Pedro Santana Lopes não quiseram fazer comentários ao jornal.

Relacionadas

Fitch mantém rating lixo à CGD e BCP e melhora classificação do Santander e Montepio

Apenas Montepio e Santander Totta viram uma melhoria do rating da dívida pela Fitch. A agência de notação reafirmou os ratings do BCP e Caixa Geral de Depósitos, melhorando o outlook.

Associação Mutualista escolhe Nuno Mota Pinto para CEO do Montepio

A entrada de Nuno Mota Pinto far-se-á na sequência da mudança de modelo de governo da Caixa Económica Montepio Geral, para um modelo monista, com um ‘chairman’ e um CEO, apurou o Jornal Económico. Nesse modelo, a Comissão Executiva emana do conselho de administração.
Recomendadas

Capgemini Portugal estima que receitas cresçam 16% em 2022 e tem 600 vagas de trabalho por preencher

A consultora tecnológica revelou ainda que está prestes a lançar o quarto laboratório de investigação no país, que será dedicado à cibersegurança da computação quântica e para a qual estão alocados cinco doutorados.

Pires de Lima revela que BCSD Portugal deverá incluir 200 empresas em três anos

O CEO da Brisa põe o aspecto social e combate à pobreza no topo das prioridades para caminharmos para um mundo mais sustentável. Pires de Lima invocou o BCSD Portugal, de que faz parte, revelando que reúne 140 empresas mas deverá chegar a 200 no prazo de três anos.

Novo Banco: Tribunal de Contas atento ao acolhimento das recomendações, diz José Tavares

O presidente do Tribunal de Contas, José Tavares, afirmou hoje que o Tribunal “continuará ativo” em relação ao Novo Banco nomeadamente ao nível da aplicação das recomendações formuladas nas auditorias.
Comentários