Volume de negócios na indústria cresceu 31,5% em junho

Em junho, o valor do índice foi influenciado pelo expressivo aumento de preços na indústria, segundo o INE.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) revelou, esta terça-feira, que o índice do volume de Negócios na Indústria cresceu 31,5% em junho, tendo sido de 29,1% em maio.

Em junho, o valor do índice foi influenciado pelo expressivo aumento de preços na indústria, que correspondeu a uma subida de 25,7%.

Ao excluir o agrupamento de Energia, as vendas na indústria apresentaram uma variação de 24,2% nesse mês (24,3% em maio). A Energia deu o principal contributo para a variação do índice total, 12,1 pontos percentuais (p.p), derivado do crescimento de 60,4%, em maio era de 49,3%.

Do lado dos Bens Intermédios e os Bens de Investimento, estes registaram crescimento  de 23,6% e 44,6% (30,7% e 15,3% no mês anterior, pela mesma ordem), tendo contribuído com 8,9 p.p. e 6,2 p.p., respetivamente. Neste último agrupamento destaca-se a forte aceleração do fabrico de veículos automóveis, reboques e afins.

Por outro lado, os Bens de Consumo desaceleraram 5,7 p.p., para uma variação de 15,0%, contribuindo com 4,3 p.p. para a variação agregada.

Os índices relativos ao mercado nacional e ao mercado externo cresceram 27,2% e 37,5%, quando no mês anterior tinham sido de 26,2% e 33,3% respetivamente. No segundo trimestre de 2022, o volume de negócios na indústria apresentou um aumento homólogo de 26,5% (21,9% no trimestre precedente).

No que toca ao mercado nacional, também foi o sector da Energia que se destacou. O INE aponta que “a Energia deu o contributo mais expressivo para a variação do índice deste mercado, 13,9 p.p., em resultado do crescimento de 48,0% (41,2% em maio)”.

Já no mercado externo, “os Bens Intermédios deram o contributo mais elevado para a variação do índice deste mercado, 12,9 p.p., em resultado do crescimento de 30,9% (42,1% em maio)”.

Relativamente às variações homólogas do emprego, das remunerações e das horas trabalhadas, estas fixaram-se em 2,9%, 6,4% e 2,5% (3,2%, 7,8% e 3,1% em maio, respetivamente).

 

 

Recomendadas

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.
Comentários