Zelensky diz que Ucrânia não vai ceder territórios à Rússia

Também o ministro dos Negócios Estrangeiros rejeitou a ideia sugerida pelo antigo chefe de diplomacia dos EUA sobre a Ucrânia ceder território à Rússia para alcançar a paz.

O presidente da Ucrânia rejeitou a ideia de que iria ceder terras ucranianos à Rússia, tal como também fez o ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba.

Ambos respondem à sugestão do antigo chefe da diplomacia dos EUA Henry Kissinger de que a Ucrânia deveria considerar ceder território à Rússia para alcançar a paz.

“Os grandes geopolíticos que sugerem isto estão a desconsiderar os interesses dos ucranianos comuns, dos milhões que realmente vivem no território que estão a propor trocar por uma ilusão de paz”, sublinhou Volodymyr Zelensky, durante um discurso dirigido à nação, segundo a “Reuters”.

Segundo o líder ucraniano os interesses da Ucrânia não devem ser influenciados pelos “interesses daqueles que estão com pressa para encontrar um ditador novamente”.

Por sua vez, Dmytro Kuleba também desvalorizou a ideia de ceder terras ucranianas. “Respeito Henry Kissinger, mas aprecio que ele não esteja a ocupar nenhum cargo oficial no governo dos EUA. Ele tem a sua própria opinião, mas discordamos fortemente dela”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, à “CNBC”.

“Não será algo que vamos fazer”, acrescentou Dmytro Kuleba.

Kuleba referiu que a Ucrânia seguiu uma política de diálogo construtivo com a Rússia mesmo depois de anexar a Crimeia em 2014. No entanto, sublinhou que isso não trouxe uma resolução pacífica para o conflito na região de Donbas, onde tem decorrido combates entre separatistas pró-Rússia e forças ucranianas nos últimos oito anos.

“Nunca funcionou e no final levou-nos à maior guerra na Europa desde a Segunda Guerra Mundial. Se falhou uma vez, falhará duas vezes”, destacou o ministro.

Recomendadas

Costa defende carros híbridos até 2040 para UE não perder apoio dos cidadãos

O primeiro-ministro explicou esta sexta-feira que Portugal defende um prolongamento do prazo para a proibição da venda de veículos novos com motor 100% a combustão para acautelar “o suporte” dos cidadãos, sem afetar as metas do pacote climático europeu.
médicos

“Sangue nas mãos”: médicos condenam a reversão do direito ao aborto nos EUA

Numa declaração assinada por mais de 100 organizações globais de saúde especialistas disseram que a decisão do Tribunal Supremo dos EUA foi “um golpe catastrófico” para milhões.

Revogação do aborto nos EUA. Trump diz que foi “decisão de Deus”

Trump aproveitou também para deixar uma mensagem aos apoiantes de que a reversão de Roe v. Wade “funcionará para todos”.
Comentários