Zelensky exige a diplomatas mais armas para Kiev e mais sanções para Moscovo

O Presidente ucraniano exigiu hoje aos diplomatas que garantam mais armas para a Ucrânia e mais sanções internacionais contra a Rússia, avisando-os que “podem começar a procurar outro trabalho” em caso de insucesso.

O Presidente ucraniano exigiu hoje aos diplomatas que garantam mais armas para a Ucrânia e mais sanções internacionais contra a Rússia, avisando-os que “podem começar a procurar outro trabalho” em caso de insucesso.

Volodymyr Zelensky avisou que “se não houver armas, sanções, restrições aos negócios russos”, os diplomatas “podem começar a procurar outro trabalho”.

O governante anunciou a cessação da missão diplomática dos embaixadores em Marrocos e na Geórgia, que tem parte do seu território ocupado pelos russos.

A república separatista georgiana da Ossétia do Sul anunciou na quarta-feira que irá “em breve” tomar medidas de integração com a Rússia, que reconheceu a independência em 2008 após uma breve guerra com a Geórgia.

“Há aqueles que trabalham em conjunto com todos para defender o Estado. Para que a Ucrânia possa ganhar o seu futuro. Estamos gratos pelo trabalho de cada uma destas pessoas. E há aqueles que perdem tempo e trabalham apenas para se manterem no cargo. Assinei hoje o primeiro decreto para retirar o embaixador ucraniano de Marrocos. O embaixador georgiano também foi chamado de volta”, acrescentou.

“Espero resultados concretos nos próximos dias dos nossos representantes na América Latina, Médio Oriente, Sudeste Asiático e África”, disse Zelensky, frisando esperar os mesmos resultados por parte dos adidos militares.

“Espero os mesmos resultados dos adidos militares nos próximos dias. A frente diplomática é uma das principais frentes. E todos ali devem trabalhar da forma mais eficiente possível para vencer e ajudar o exército. Todos devem trabalhar na linha de frente diplomática, tal como todos os nossos defensores no campo de batalha”, sustentou.

Segundo a agência de notícias ucraniana Ukrinform, Zelensky anunciou a retirada do embaixador no Quirguizistão em 01 de março.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.189 civis, incluindo 108 crianças, e feriu 1.901, entre os quais 142 crianças, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4 milhões de refugiados em países vizinhos e quase 6,5 milhões de deslocados internos.

A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Recomendadas

Ucrânia: Diplomacia russa protesta contra afirmações ‘grosseiras’ de Johnson

Em comunicado, o Ministério adiantou que Deborah Bronnert recebeu um protesto “firme” contra “as afirmações abertamente grosseiras a respeito da Federação Russa, do seu dirigente, dos seus responsáveis, bem como do povo russo”.

“Levava um tiro por Putin”. Antiga figura da Fórmula Um defende a invasão da Ucrânia

Bernie Ecclestone referiu-se ao líder russo como alguém “de primeira classe” que cometeu “erros” e apontou o dedo a Zelensky por “não ouvir” o Kremlin. Declarações que já mereceram reação da Fórmula Um.

Nova ‘cortina de ferro’ já desce entre a Rússia e o Ocidente, diz Kremlin

“No que diz respeito a uma cortina de ferro, essencialmente ela já está a descer” e esse processo já está em curso, disse o porta -voz de Putin.
Comentários