Fed deverá manter rumo em direção a política neutra, à revelia da ira de Trump

Reunião de dois dias do Comité Federal de Mercado Aberto termina esta quarta-feira. Consenso entre os analistas antecipa um aumento da taxa de fundos federais para um intervalo entre 2,25% e 2,50%. O foco deverá estar em sinais sobre 2019.

Quatro meses após o último aumento da taxa de juro de referência (federal funds rate), a Reserva Federal (Fed) norte-americana deverá anunciar esta quarta-feira o quarto aumento do ano. A decisão é esperada pela generalidade dos analistas, cujo foco se centra numa possível sinalização sobre a rota da política monetária para 2019.

“A próxima reunião do Comité Federal de Mercado Aberto (FOMC) vai ser importante, dadas as diferenças significativas entre as expectativas dos mercados e a própria visão da Reserva Federal sobre a economia dos EUA. Se a Fed decidir surpreender os investidores, comprometendo-se com o avanço da sua política de aperto monetário, isso pode resultar em maior volatilidade e numa curva de rendimentos (yield curve) mais acentuada nos EUA”, salienta Franck Dixmier, global head of fixed income da Allianz Global Investors.

Após aumentar a taxa de juro de referência na reunião de setembro, o consenso entre os analistas aponta para que o banco central aumente a taxa de fundos federais para o intervalo entre 2,25% e 2,50%, apesar das críticas do presidente norte-americano, Donald Trump.

Esta segunda-feira, Trump, voltou a criticar, através da rede social Twitter, a possibilidade do organismo liderado por Jerome Powell avançar com uma nova subida das taxas de juro.

“É incrível que com um dólar muito forte e sem inflação, o mundo exterior a explodir à nossa volta, Paris a arder e a China em queda, a Fed esteja sequer a considerar outro aumento das taxas de juro”, escreveu.

Questões como a tensão comercial entre a China e os Estados Unidos, o crescimento económico norte-americano e a volatilidade e correções nos mercados acionistas, são apontadas pelo analista da Allianz como importantes para enquadrar a última reunião do ano da Fed.

“Estes desenvolvimentos podem ser observados nas revisões em baixa das previsões da taxa de fundos federais, que refletem uma probabilidade de 70% de subida em Dezembro, virtualmente nenhuma expectativa de aumento em 2019 e uma diminuição em 2020”, refere.

“Aconteça o que acontecer, a Fed demonstrou que está a caminhar para uma política monetária neutra – uma taxa de fundos federais de cerca de 3% – e não esteja mais em piloto automático”, acrescenta.

O diretor de investimento da Fidelity International, Andrea Iannelli, antevê que o outlook para a Fed para 2019, torna-se “menos claro”, com evidências de “uma desaceleração da economia, do enfraquecimento do estímulo fiscal e de condições financeiras mais rígidas”.

Relacionadas

Trump vê “Paris a arder e China em queda” e volta a criticar Reserva Federal

Esta não é a primeira vez que Donald Trump critica a política do banco central norte-americano. Última reunião do ano arranca amanhã e analistas esperam a quarta subida das taxas de juro deste ano.

Fed aponta a nova subida das taxas de juro em dezembro mas 2019 é uma incógnita

As atas da Reserva Federal norte-americana, referentes à última reunião, apontam a uma nova subida das taxas de juro em dezembro.
Recomendadas

Galp vai investir mais de cinco mil milhões no Brasil

A companhia quer investir mais na produção de petróleo, mas também nas energias renováveis.

PSI abre no ‘vermelho’ em linha com a Europa. BCP perde mais de 2%

Apenas duas cotadas estão em terreno positivo num dia negativo para as principais bolsas europeias. No mercado cambial, o euro valoriza 0,40% face ao dólar norte-americano para os 0,9550 dólares.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quarta-feira

O INE divulga hoje as estatísticas de rendas da habitação ao nível local no segundo trimestre do ano, os inquéritos de conjuntura às empresas e aos consumidores deste mês e ainda as estimativas mensais de emprego e desemprego referentes ao mês de agosto. Nos EUA, faz-se inventário ao crude, aos destilados e aos combustíveis.
Comentários