OPEP+ aumenta produção em 648 mil barris por dia

Os aumentos aprovados pelos ministros do grupo num tempo recorde de 11 minutos, segundo os delegados, contrastam significativamente com os recentes aumentos mensais de 432 mil barris por dia.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e os seus aliados – OPEP+ decidiram esta quinta-feira aumentar a produção de petróleo em cerca de 50% face à oferta diária dos últimos meses, para 648 mil barris por dia em julho e agosto, de acordo com a “Bloomberg”, mantendo-se atentos à pressão de grandes importadores como os EUA.

Os aumentos aprovados pelos ministros do grupo num tempo recorde de 11 minutos, segundo os delegados, contrastam significativamente com os recentes aumentos mensais de 432 mil barris por dia.

O acordo prevê que a Federação Russa, que deu apoio total ao plano, se mantenha no maior cartel petrolífero do mundo, ao mesmo tempo que permanece atenta à pressão dos grandes consumidores, incluindo os EUA.

O petróleo estava em queda antes da reunião, penalizado pelos relatórios de que a Arábia Saudita e outros membros estavam preparados para preencher a lacuna no mercado criada pela queda da produção russa, ou mesmo retirar o país do sistema de quotas da OPEP+ por completo.

Contudo, o acordo fez com que o crude invertesse as suas perdas em Wall Street.

“Este é um ajuste bastante pequeno, mas é um aceno de cabeça para os saldos apertados que se aproximam no final deste ano, quando as sanções da UE contra a Rússia começam a ter impacto”, comentou Bill Farren-Price, diretor da Enverus Intelligence Research.

O aumento da produção será dividido proporcionalmente entre os membros, da forma habitual, segundo a “Bloomberg”, que refere que os países que não conseguiram aumentar a produção, tais como Angola, Nigéria e mais recentemente a Rússia, irão beneficiar de uma quota mais elevada.

Liderado pela Arábia Saudita, o grupo tem vindo a aumentar gradualmente o abastecimento mensal, mesmo após a invasão da Ucrânia pela Rússia, um membro-chave do grupo, levando ao disparo dos preços da energia.

Esta manhã, o “Financial Times” avançou que a Arábia Saudita deu indicações aos países ocidentais que está preparada para aumentar a produção de petróleo caso a produção da Rússia caia substancialmente sob o peso das sanções, uma notícia que também relatada no jornal “Arab News”.

A OPEP+ está a trabalhar para compensar uma queda na produção de petróleo russa, já que a produção da Rússia caiu cerca de 1 milhão de barris por dia nos últimos meses como resultado das sanções ocidentais a Moscovo por causa da Ucrânia, avança o jornal árabe.

Recomendadas

Wall Street recupera e vai de fim de semana com subidas

Ainda assim, os títulos da Meta Platforms, que detém o Facebook, deslizaram após vir a público que a empresa liderada por Mark Zuckerberg está a cortar os planos de contratação de engenheiros, antecipando uma eventual desaceleração económica.

PSI fecha no verde com EDP Renováveis a disparar mais de 5% e EDP mais de 4%

Apesar da leitura preliminar da inflação, no mês de junho, ter registado um novo pico, acima do esperado, os mercados não reagiram negativamente. Ainda assim as bolsas da Europa fecharam mistas. Energia e utilities em forte alta.

Wall Street entra em julho com o pé esquerdo

O sector dos semicondutores está a cair após a empresa Micron Technology, fabricante de chips, ter apresentado um ‘guidance’ fiscal para o quarto trimestre que desiludiu o mercado. As concorrentes perdem mais de 2% no arranque da última sessão da semana.
Comentários